quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Feliz 2010

Hoje é o último dia do ano. Para muita gente será o dia de fazer o balanço das coisas que aconteceram ao longo do ano, para descartar as ruins e esperar repetir as coisas boas no próximo ano. Tradicionalmente teremos a Maratona de São Silvestre, uma grande corrida na cidade de São Paulo que tem marcado o encerramento do ano esportivo aqui no Brasil, cujo vencedor tem sido, naturalmente, um grande atleta de âmbito internacional. Apesar de ser um evento de grande porte, para os grandes vencedores, nesta competição é permitida a inscrição de todo tipo de gente, atleta ou não, pessoas comuns que querem apenas ter a oportunidade de estar ali participando - mesmo sem ter a mínima chance de vencer e muitas nem chegam a concluir o seu percurso total, pela fadiga do esforço para vencer aqueles quilômetros de pista.

Diante das características de uma maratona podemos fazer um paralelo com a nossa vida. Em muitos momentos nos deparamos competindo com alguém, seja realizando provas escolares, vestibulares, concursos públicos, enfim, numa gama de atividades que é uma verdadeira maratona a ser vencida. Muitas vezes tendo que superar metas no trabalho, apresentando resultados positivos.Não podemos fugir disso, é a realidade dos nossos dias.
O início de um novo ano pode ser pensado como início de uma grande prova de resistência, assim como o é numa maratona esportiva. Desejamos participar e superar as nossas limitações, esperando cruzar a linha de chegada. Para muitos, nem precisa ser em primeiro lugar... a oportunidade de participar já é uma grande vitória! É o caso de pessoas com enfermidades, de pessoas que estão debilitadas física e/ou emocionalmente e que estão fazendo parte da sua própria torcida para esta jornada que se avizinha. Os quilômetros a serem vencidos na São Silvetres são pensados como sendo dias, meses ou mais um ano de vida para estas pessoas!
Quando estamos bem de saúde não nos damos conta da importância que é o viver! Não percebemos na simplicidade das coisas nenhum valor, mas é ali mesmo, nas coisas mais simples, que encontramos o verdadeiro ouro. O significado da vida.
Dentro da visão de que a vida pode ser comparada a uma maratona, aproveitarei este meu espaço para chegar até você uma mensagem que recebi na minha caixa postal eletrônica. Não sei a sua autoria, nem veracidade, mas é a segunda vez que a recebo. Segue abaixo transcrita.

ESPÍRITOS EVOLUÍDOS

"Há alguns anos, nas olimpíadas especiais de Seattle, nove participantes, todos com deficiência mental, alinharam-se para a largada da corrida dos 100 metros rasos. Ao sinal, todos partiram, não exatamente em disparada, mas com vontade de dar o melhor de si, terminar a corrida e ganhar.

Um dos garotos tropeçou no asfalto, caiu e começou a chorar. Os outros oito ouviram o choro. Diminuíram o passo e olharam para trás. Então viraram e voltaram. Todos eles.

Uma das meninas com Síndrome de Down ajoelhou, deu um beijo no garoto e disse:

- Pronto, agora vai sarar!

E todos os noves competidores deram os braços e andaram juntos até a linha de chegada..

O estádio inteiro levantou e os aplausos duraram muitos minutos...

Talvez os atletas fossem deficientes mentais... Mas com certeza, não eram deficientes espirituais..."

MORAL DA HISTÓRIA:

"O que importa nesta vida, mais do que ganhar sozinho é ajudar os outros a vencer, mesmo que isso signifique ter que diminuir os nossos passos..."

UM CONSELHO:
Procure ser uma pessoa de valor, em vez de procurar ser uma pessoa de sucesso...

Como disse Albert Einstein: O sucesso é consequência!

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Olhando para trás

Hoje às vésperas de mais uma virada no calendário aproveito para olhar para trás. Muitas foram as experiências, os momentos vividos ao longo dessas cinco décadas. É pena que os momentos vividos durante a infância ficaram mais escuros na minha mente, só consigo lembrar do meu sexto aniversário - festejado dentro de um quartel na cidade do Rio de Janeiro. Depois fiquei sabendo a razão de ter estado ali naquele ano, naturalmente o motivo estava ligado ao trabalho do meu pai. Foi um ano de dificuldades, mas não tive nenhuma percepção do que estava se passando de verdade. Lembro também da viagem de avião, regressando a minha terra natal, Teresina-PI. Eu era uma criança.
Depois, ainda criança, porém um pouco mais crescida foi a vez de me afastar dos meus avós maternos e paternos para vir morar aqui em João Pessoa-PB. Eu tinha nove anos de idade. Tudo era novidade, a cidade nova, casa nova, escola nova e amigos novos. Deste tempo ainda conservo a amizade com os membros de duas famílias recheiadas de filhos, o que resulta num grande número de amigos de infância. Estudávamos na mesma escola e morávamos na mesma rua. Nossos pais trabalhavam no mesmo local. Crescemos juntos, hoje somos os pais de família! Aqui e acolá sabemos notícias de um e de outro.
Veio a adolescência e com ela as férias passaram a ter sabor, afinal passamos a ter consciência do que são estes momentos de recesso escolar. Com as férias vieram as viagens para visitar os meus avós que continuaram morando no Piauí. Posso dizer que dentre os meus irmãos eu fui mais contemplados mais vezes com estas viagens. Na maioria das vezes ia e voltava sozinho, eu topava tudo para repetir. Ia para o aeroporto em busca de voar nos aviões da FAB, o que quase sempre dava certo. Uma ou outra vez falhou, lembro de ter ajudado a colocar a mala de uma passageira no interior do pequeno avião que acabou ocupando o meu lugar... e eu retornando para casa frustrado por não ter embarcado. Lembro de ter embarcado em Teresina voltando para casa, só com a roupa do corpo e quando o avião iniciou o procedimento de decolagem, já taxiando na pista, retornou para pegar a minha mala que acabara de ser levada para o aeroporto pelos meus primos! Na verdade, acho que foi a minha primeira tomada de decisão na vida: embarcar sem mala e garantir a viagem ou ficar esperando a mala arriscando perder o voo?! Resolvi embarcar, com o pensamento lógico: estava voltando para casa! Tudo ficaria resolvido. É a certeza de que na casa dos nossos pais encontramos, muitas vezes, o porto seguro.
Lembro também da vez que retornando de ônibus, estrada no barro, muita lama, atoleiros, carros quebrados ao longo da estrada, inclusive o nosso ônibus... uma viagem que fugiu do controle em questão de tempo e que deixou muita gente preocupada (não tinha muitos meios de comunicação).
Bom, olhando para trás até esse momento, posso dizer que daria tudo para poder repetir todos aqueles momentos... na impossibilidade, revivo cada um deles na minha mente saudosa!
O mesmo posso dizer do período pós-adolescência, quando bati asas para longe dos meus pais em busca da realização profissional... o que acabou sendo retardado e retornei para casa, após quase três anos ausente estudando na cidade de Campinas-SP. Também repetiria aqueles momentos, só não sei se daria um desfecho diferente do que foi dado na verdade. É uma coisa que não saberei nunca a resposta. Ms não me arrependo da decisão de sair daquela escola. O regresso para casa permitiu ver as coisas de ângulo diferente e naturalmente a vida foi retomada de forma natural e como tal vieram novas pessoas para perto de mim. Eu já era mais um jovem aborrecente, apesar de fazer muita gente ficar com raiva das minhas brincadeiras... Os interesses passaram a ser outros, a relação social ficava mais refinada. Frequentava festas, participava de comemorações de final de ano, tinha apito para perturbar as pessoas nos bailes de revellion... Conheci o amor! Estava crescido e não olhava para trás com intensidade. A vida era ali, naquele momento e vivê-la era o que importava. E ainda bem que foi assim.
Discorrer sobre tudo que vivenciei daria certamente um livro, então resumirei afirmando que de nada me arrependo, por ter feito ou deixado de fazer. E o saldo resulta em felicidade. Posso dizer que apesar de tudo que estou passando atualmente, me considero uma pessoa de sorte! Sou feliz.
Encerro este post, como sempre, com um desejo: Fiquem com Deus!

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

A ceia

No momento da minha alta hospitalar faltava pouco mais de oito dias para o momento de hoje, dia de Natal, e foi pensando na ceia da noite de ontem que lembrei de perguntar ao médico se eu poderia comer uma fatia do queijo de reino. Lembro que ele respondeu com uma frase de esperança, mas deixou mesmo para liberar a dieta somente durante a primeira revisão médica no seu consultório. Pois bem, o Dr. Cássio liberou a dieta e quanto a  minha pergunta relativa as guloseimas da ceia natalina foi taxativo: comer pode, sem excessos! E assim foi durante a noite de ontem.
Participei da ceia natalina organizada na casa dos meus pais, quando reunimos os nossos familiares e amigos. Estavam todos lá, exceto a minha irmã, filho e nora que encontram-se de viagem pela Europa. Coisa chique, não? Para o meu sobrinho estas viagens ao exterior tem sido uma constante, por conta do trabalho dele e agora estão usufruindo de momentos de laser. Merecem.
Bom, voltando ao reino dos comuns, saboreie bons petiscos e muita fruta. Não abusei, pensando nas palavras do médico. Fiquei na casa dos meues pais até pouco depois da meia-noite. Dormi bem e amanheci disposto, sem nenhum intercorrência, sem nenhuma anormalidade no metabolismo do que foi posto pra dentro ontem a noite. Isso tudo agradeço a Deus, pela minha recuperação e poder está participando da vida normalmente, mesmo que seja com algumas restrições, com algumas delimitações e com perda da liberdade de movimento pleno. Mas, estou dando podendo dar graças ao que está ao meu alcanse, ao que estou podendo dispor e fazer - e não é pouco, se comparado com situações outras que sabemos ocorrer nesta vida. O meu estado é de alegria e confiança. Fiquem com Deus!

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

As últimas

Ontem fui ao médico para uma segunda revisão do pós-operatório quando foram retirados os últimos pontos que ainda tinham ficado. Levei resultado de exame de sangue que tinha feito no dia anterior e diante do resultado, uma discreta anemia, foi prescrito o uso de medicamento a base de ferro o Noripurum fólico. Usei este danado no pós-operatório do ano passado e provocou uma séria prisão de ventre que culminou num parto doloroso, quando consegui evacuar o que ele estava retendo. No tópico Confesso da comunidade do orkut eu colocaria que "estou com medo de tomar o noripurum". Mas devemos tirar proveito de todas as experiências, e como já conheço o efeito colateral do medicamento, o jeito é tomá-lo e ao longo do dia comer frutas laxantes, como manga (tá na época), laranja e mamão. Amanhã de manhã veremos quem venceu!
Pois é, fora esta minha preocupação nenhuma outra situação está me incomodando. A cicatrização está ocorrendo da melhor maneira e sinto-me bem tranquilo emocionalmente. Um pouco ansioso para receber o resultado da biópsia do material retirado na cirurgia, que sairá no dia 08 de janeiro. Não estou fazendo disso um bicho, ao contrário, estou entregando como sempre faço nas mãos de Deus, quem realmente sabe do nosso futuro, da nossa vida.
Para aqueles que esperavam notícias minhas, são estas, portanto, que estão sendo postadas neste momento.

Abro um espaço agora para falar que resolvi criar um segundo blog, no qual publicarei minhas opiniões e de terceiros acerca da vida. Um blog para encontrar textos que levem a reflexão do pensamento e, como este, está aberto a críticas, sugestões e comentários de quaisquer natureza.
O endereço do blog é http://vivendoavidaagora.blogspot.com/ 
Feliz Natal para todos! Fiquem com Deus!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Retornando ao momento da cirurgia

Os momentos que antecederam esta última cirurgia foi relatado em parte no post do dia 10, mas resolvi retomar ao tema devido as situações que ficaram de fora do relato. Bom, de início estranhei a chegada de uma cadeira de rodas, ao invés de uma maca, para o transporte até o bloco cirúrgico. Se estranhei o deslocamento imagine a forma como entrei no bloco cirúrgico... Caminhando mesmo, rumo ao centro da sala, para a mesa cirúrgica. Calçava luvas descartáveis e o modelito charmoso da ocasião. Achei muito estranho tudo aquilo que estava acontecendo, mas não constestei, tratei de gravar tbem na minha mente até o momento derradeiro de lucidez. E foi assim.
Fui recepcionado na entrada do bloco e levada a mesa, deitei sobre a mesma e as luzes do foco cirúrgico logo foram acesas, creio que num tom menor que o utilizado durante o ato. Os meus braços foram apoiados sobre talas rígidas que passavam por baixo das minhas costas - uma de cada lado. A posição final pode ser comparada com a de Jesus na cruz, salvadas as proporções, o exemplo foi só para que possa ser melhor visualizada a posição na qual fui colocado. No bloco já se encontrava também o médico anestesista que tratou das providências iniciais. Não consigo precisar o tempo que fiquei ali, assistindo a toda aquela ritualística até apagar pelo efeito da anestesia, mas lembro da dor nas costas quando fui picado para receber o anestésico.
Graças a Deus estou aqui contando a história, que não ficou esquecida. Fiquem com Deus! 

Revisão médica

Estou no consultório do cirurgião para a primeira avaliação pós-operatório,  o sentimento é de muita ansiedade. Estou com humor péssimo, acho que devido as dores que tenho sentido na altura do ombro desde que tive alta do hospital. Uma dor interessante, não fosse mais ainda incômoda, ela oscila entre o abdomen e o ombro. É como se o meu toráx fosse uma mesa de ping pong e a dor a bolinha... a dor vai de cima abaixo, incrível. Isso tem me deixado muito preocupado e acaba externando num comportamento hostil. Não gosto disso. É preciso muita compreensão para entender o que estou passando neste momento. A cicatrização está ocorrendo da melhor forma, sem intercorrências, mas sinto como se estivesse tendo o abdomen esticado, pressionado... Será que é normal?! Claro que vou perguntar ao médico.
Logo mais sei que passarei por situações mais incômodas que a própria cirurgia... afinal, lá eu estava anestesiado... para a retirada dos pontos vou estar acordado e é ai que a coisa pega! Dói só de pensar nesse momento. Vou pedir para que seja dado um porre anestésico!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Vaidade e a falta de tempo

Outro dia solicitei das pessoas que estão sempre este blog textos para serem publicados aqui, considerando que há muito tenho mudado o foco inicial das minhas escritas, numa demonstração de que estou 'vivendo' todos os momentos da minha vida da maneira que estou podendo sem ficar focado na doença que também é real, embora acreditando na misericórida divina de que o 'meu tempo' não ainda está delimitado.
Pois bem, tenho recebido vários textos - um deles já foi postado aqui - e hoje recebi  um texto de autoria do Rubem Alves, achei-o super interessante e cabe bem no contexto desse final de ano, quando para muita gente é um momento de prestação de contas, participações em reuniões de trabalho e em muitas dessas pessoas aflora o sentimento da vaidade, do querer mostrar a sua superioridade nas tarefas desenvolvidas ao longo do ano que está terminando. Outras pessoas surgem com idéias mirabolantes a serem executadas a partir do próximo ano. E por ai vai.
O texto cabe também para as demais pessoas, independentemente de estarem envolvidas com esse tipo de atividade a que me referi acima. O Tempo e as Jabuticabas é um presente para os que gostam de textos(1) para reflexão.

O TEMPO E AS JABUTICABAS

'Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquela menina que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ela chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço. Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados. Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte. Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos.
Não participarei de conferências que estabelecem prazos fixos para reverter a miséria do mundo. Não quero que me convidem para eventos de um fim de semana com a proposta de abalar o milênio. Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir estatutos, normas, procedimentos e regimentos internos.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.
Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões de 'confrontação', onde 'tiramos fatos a limpo'. Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral.
Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: 'as pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos'. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa...
Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão somente andar ao lado do que é justo.
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.' O essencial faz a vida valer a pena.
Rubem Alves

(1) Enviado por Vânia Sueli

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Um novo dia

Depois de muito tempo madruguei de verdade, levantei-me antes do amanhecer. Para Jack, minha esposa, eu estava inquieto e isso a deixou preocupado, para mim era ansiedade por mais uma experiência na minha vida. Ver o sol brilhar, as suas primeiras luzes atravessando a janela - a sua claridade dando brilho às coisas do quarto, já é o bastante para o prenúncio de um novo dia. Um aviso da chegada do astro rei com a sua importância suprema para a continuidade da vida. É isso que significa o raiar do sol e muito mais. É a certeza de que vencemos a escuridão e que um novo ciclo irá se completar, isso é vida!


Diariamente ele tem surgido nas nossas vidas e muitas vezes não temos a capacidade de absorver esta realidade e não lhe damos o devido valor. É preciso estar acamados, isolados para percebermos a sua verdadeira harmonia com o resto do planeta. Ele arde e queima na dose certa, se temos insolação é pelo uso indevido dos seus raios (atualmente várias são as campanhas de conscientização que nos dão conta disso). O sol é vida.

Além de ser muito poético este momento, pode marcar o início de relacionamentos, quando a noite não basta para os oferecimentos das coisas da natureza espera-se pelo sol - para dizer a pessoa amada o quão ardente será a paixão daqueles dias que virão. Há que ser também o fim dos conflitos noturnos, quando vem a calmaria para embalar e conciliar. Enfim, o novo dia é sempre motivo para festejos e comemorações - todos os dias. Assim como se toca o Bolero de Ravel na sua despedida vespertina, deveria ter as mesmas notas entoadas no seu retorno.

Aproveito este meu momento apaixonante pela vida para dizer quanto estou feliz por poder participar da sua chegada, da sua recepção, mesmo que anônima, no palco chamado vida. Astro rei, rei da natureza, seja bem vindo e aqueça com o seu calor suave todos nós passageiros da Terra. Fiquem com Deus!

A foto foi feita em 2005, numa viagem de retorno de Teresina-PI, em companhia do meu primo Jesus e dos meus pais, Raimundo e Dilma. (Não deu para evitar o fio da rede elétrica...)

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Flagrante da vida real

A foto abaixo mostra duas situações simultâneas de atendimento... verificação de pressão e uma sessão de fisioterapia respiratória, Jordânia e Danielly, repectivamente.

O tempo parou

Estou há duas horas olhando para a porta do quarto, esperando que ela se abra para  a entrada do Dr. Cássio... com ele vem a minha alta hospitalar! Parece que tudo está torcendo contrário ou é simplesmentre a força da ansiedade que parece mover os ponteiros do relógio para trás. Preciso ter paciência, mas não sei ode buscá-la mais. Já fiz de tudo que um internado pode fazer: andei pelos correrdores, sentei na cama, sentei na poltrona... já tomei banho e nada. O tempo parou mesmo ou será que a demora está sendo real? Durante o banho faltou água... tive que retirar o sabão com água aparada e um pouco da geladera. Frummmm que frio danado fez aqquele pouco dágua sobre as minhas partes desprotegidas, gelada demais para a ocasião e tudo encolheu mais ainda. Uma graça, pensei que tinha ficado eunuco! Se bem que nunca vi um eunuco de verdade, nem quero ver. Mas tudo bem, tenho o meu notebook, confidente fiel e que tem guardado todos os meus segredos. Só revela para duas pessoas: Deus e o mundo! É para isso que serve que este blog, para regisrtar tudo aquilo que estamos sentindo e passando momento vou parar de escrever, chegou a enfermeira para fazer os curativos... nem sei porque esteO nome afinal a cirurgia é no fígado, deveria ser figurativo! Dá para entender?  Fiquem com Deus!

Pronto, já fiz o curativo mesmo... este nome é dado para qualquer tratamento de ferimentos não dependente da parte do corpo, bem que poderia ser diferente e mais explícito. Tudo bem! Nem sinal so Dr. Cássio, será que ele esqueceu de mim? Vai me manter aqui por mais tempo? Acho que não, a enfermeira (Jordânia) retornou com a medicamentação dipirona - creio que seja a última dose aqui no hospital. Ei acabou de chegar a fisioterapeuta (Danielly)para mais uma sessão, vou suspender para iniciar a sessão de hoje. Até mais tarde. Fiquem com Deus!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Ainda no Hospital

Segunda-feira, cinco dias aoós a cirurgia e ainda me encontro internado. Recebendo medicamento pela veia, fazendo fisioterapia respiratória para evitar acúmulo de secreções nos pulmões. Estou com aparência saudável, no falar das pessoas que me visitam e mesmo na falad o médico. Alta prevista para ocorrer amanhã, a ansiedade é cada vez maior e as noites mal dormidas têm sido uma constante pelos icômodos do dreno e do soro que continuo tomando. Alimentação é aquela já conhecida por todos, sem, sam sabor o que torna a descida mais difícil. Mas estou tentando.
Fiquem com Deus!

sábado, 12 de dezembro de 2009

Bye, bye UTI

Dois dias e duas noites na UTI para  dar início ao pós-operatório. Não foi igual a das vezes anteriores, algumas coisas foram melhores outras do mesmo nível de dificuldades que foram superadas igualmente. Também teve seu lado hilárico, partindo de uma senhora de meia idade que não chamava pelos intensivistas, simplesmente gritava os seus nomes. Parecia que conhecia a todos, já se considerava de casa. Mas isso incomodava, não conseguia dormir, não conseguia sequer relaxar um pouco e o tempo não passava! A ansiedade aumentava a cada momento, acho que temendo ficar mais que as 48 horas previstas, mas graças a Deus foi esse o tempo que fiquei na UTI. Desta vez a enfermeira teimava em querer tirar a minha barba, alegando que eu ficaria mais jovem e mais bonito. Jovem serei sempre, o bonito depende de quem me olha! Portanto, não me convenceu e nem poderia - afinal são trinta anos de convivência.
Nunca tinha me visto dentro de uma fralda, ficou um modelito chocante, só não quero ter que usar novamente.
Estou agora no apartamento, não é o mesmo de quando me internei na quarta-feira passada é pouco menor. Deu para rececpcionar bem as pessoas que aqui já chegaram: Mamãe, Papai, Priscila, Pollyana, Rômulo, D. Geronce, Socorrinha, Cristiane, Larissa, Sérgio, Matheus, Thiago, Evaldo e Zenilde... quase todos ao mesmo tempo... uma farra mesmo de carinho e de afeto, na dosagem certa do amor que reina entre nós.

Telefonemas e Comentários

Vale registrar os inúmeros telefonemas que recebi desde o momento da internação, continuando durante a temporada na UTI, este recebidos por Jack ou Priscila, já que estavam de plantão no hospital. Pela primiera vez recebi comentário de uma pessoa além das nossas fronteiras geográficas, foi da Cristina que mora em  Portugal, obrigado a todos vocês! Beijos no coração.

Fiquem com Deus!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Amanhecer hospitalar

Bom diaaaaaaaaaaaaaa.... Depois de muito tempo estou amanhecendo o dia dentro de um hospital. Levantei cedo, fui ao banheiro para a higienização matinal, o intestino funcionou como todos os dias e ao escovar os dentes pensei: "bem que poderia estar num hotel fazenda ou numa pousada à beira-mar!" Bom, a realidade é esta mesma - estou internado e não hospedado, apesar de que os hospitais também têm o serviço de hotelaria. Insossa, é verdade, mas tem! E eu não estou na condição de hóspede, sou um paciente. O que me faz pensar no significado dessa palavra e me vem a pergunta: será que todos os pacientes são calmos, quietos? Descobri que um dos significados para "paciente" é "a pessoa em que se pratica uma operação cirúrgica", pode ser ainda "pessoa enquanto na dependência do médico".
Então, posso dizer que neste momento estou satisfazendo aos conceitos de ser paciente. Seja pela minha calma, pelo meu estado de quietude ou, no último caso, pela definização encontrada nos dicionários.
Pollyana acaba de chegar, pelo visto madrugou mesmo... logo ela que gosta de dormir muito, tadinha ter que vir logo cedinho assim! Ontem, recebi a visita do papai e da mamãe, acompanhados pelo meu irmão Evandro (Sirlânia veio também mas não deu para entrar), em seguida foi a vez de Priscila chegar. Mais tarde estavam aqui, além dos já citados, a minha cunhada Siliu e Nonato e a minha irmã Socorro. No post anterior está dito que o apartamento é grande, por isso coube todos juntos. Faltou apenas os comes e bebes e um som para alegrar a noite. Registre-se que Priscila foi a última a sair.
Vou parar por aqui para dar atenção a Pollyana, voltarei a postar assim que puder segurar novamente o notebook ou me sentar diante do micro. Plagiando a Ludmila Rohr, Nomastê! Fiquem com Deus!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Internado

Pela primeira vez estou escrevendo diretamente do hospital, mais precisamente deitado sobre uma cama fawler (tipo de cama específica para enfermos), hidráulica, isto é, inclinação dos pés e da cabeça apertando botões, chique de doer. O apartamento é enorme, equipado com televisão de LCD de 32 polegadas, muito confortável. Quisera que todo este conforto fosse extensivo aos demais enfermos que estão internados nos hospitais desse Brasil. Certamente que a doença seria mais fácil de ser encarada se a certeza de um bom atendimento estivesse no juízo das pessoas. Mas nem tudo é um mar de rosas, como possam está imaginando.
Neste momento paira no ar a incerteza da realização do procedimento cirúrgico - razão da minha presença aqui neste momento - a dúvida é devido a falta de autorização, do meu plano de saúde, de parte do material que foi solicitado pelo médico. E esta solicitação foi feita há bastante tempo. Fiquei barrado na recepção à mercê da burocracia, esperando por uma autorização formal. Ao final a culpa parecia ter sido minha, pelo menos foi o que ficou evidenciado na desculpa dada pela recepcionista ao meu médico cirurgião ao afirmar que a minha chegada se deu quando o funcionário do plano já não se encontrava mais na sua repartição. É sempre assim, a corda se quebra do lado mais fraco e nesse jogo da vida, nos quais aparecem os serviços e os usuários estes são sempre os mais fracos.
Diante do episódio que gerou dúvidas para a atendente, ficam perguntas: o que vai acontecer agora? será que é algum sinal para dar meia volta e esperar em casa? e outras mais desse mesmo gênero. Comigo, porém, as coisas não funcionam assim. As dificuldades, quando ocorrem, é para serem superadas e não devem ser desculpas para alimentar o desânimo ou sentimento que o valha. É nessa hora que vêm a mente as pessoas iluminadas e estão para serem solicitadas, para socorrer aqueles que estão precisando - assim como eu nesse momennto. E foi assim que lembrei do amigo Fernando Carneiro e da minha amiga Marília. Eles certamente vão dar uma solução para o meu caso, pensei. Acertei em cheio. E cá estou deitado, internado, a espera do dormir e amanhecer para realizar mais este ato para conter a desobediência orgânica que parece querer reinar dentro de mim. Sei quee este reinado está chegando ao seu final. não aceitarei mais nenhum motim de qualquer que seja o órgão... se estou sobrevivendo sem estômago (literalmente) posso muito bem ficar sem a metade do fígado, só devem ficar comigo somente aqueles que realmente quiserem construir um futuro de promissor e de saúde. Deus está no controle e eu tomando posse. Tenho dito. Fiquem com Deus!

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Antes que elas cresçam

Affonso Romano de Sant'Anna

Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos próprios filhos.
É que as crianças crescem. Independentes de nós, como árvores, tagarelas e pássaros estabanados, elas crescem sem pedir licença. Crescem como a inflação, independente do governo e da vontade popular. Entre os estupros dos preços, os disparos dos discursos e o assalto das estações, elas crescem com uma estridência alegre e, às vezes, com alardeada arrogância.
Mas não crescem todos os dias, de igual maneira; crescem, de repente.
Um dia se assentam perto de você no terraço e dizem uma frase de tal maturidade que você sente que não pode mais trocar as fraldas daquela criatura.
Onde e como andou crescendo aquela danadinha que você não percebeu? Cadê aquele cheirinho de leite sobre a pele? Cadê a pazinha de brincar na areia, as festinhas de aniversário com palhaços, amiguinhos e o primeiro uniforme do maternal?
Ela está crescendo num ritual de obediência orgânica e desobediência civil. E você está agora ali, na porta da discoteca, esperando que ela não apenas cresça, mas apareça. Ali estão muitos pais, ao volante, esperando que saiam esfuziantes sobre patins, cabelos soltos sobre as ancas. Essas são as nossas filhas, em pleno cio, lindas potrancas.
Entre hambúrgueres e refrigerantes nas esquinas, lá estão elas, com o uniforme de sua geração: incômodas mochilas da moda nos ombros ou, então com a suéter amarrada na cintura. Está quente, a gente diz que vão estragar a suéter, mas não tem jeito, é o emblema da geração.
Pois ali estamos, depois do primeiro e do segundo casamento, com essa barba de jovem executivo ou intelectual em ascensão, as mães, às vezes, já com a primeira plástica e o casamento recomposto. Essas são as filhas que conseguimos gerar e amar, apesar dos golpes dos ventos, das colheitas, das notícias e da ditadura das horas. E elas crescem meio amestradas, vendo como redigimos nossas teses e nos doutoramos nos nossos erros.
Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos próprios filhos.
Longe já vai o momento em que o primeiro mênstruo foi recebido como um impacto de rosas vermelhas. Não mais as colheremos nas portas das discotecas e festas, quando surgiam entre gírias e canções. Passou o tempo do balé, da cultura francesa e inglesa. Saíram do banco de trás e passaram para o volante de suas próprias vidas. Só nos resta dizer “bonne route, bonne route”, como naquela canção francesa narrando a emoção do pai quando a filha oferece o primeiro jantar no apartamento dela.
Deveríamos ter ido mais vezes à cama delas ao anoitecer para ouvir sua alma respirando conversas e confidências entre os lençóis da infância, e os adolescentes cobertores daquele quarto cheio de colagens, posteres e agendas coloridas de pilô. Não, não as levamos suficientemente ao maldito “drive-in”, ao Tablado para ver “Pluft”, não lhes demos suficientes hambúrgueres e cocas, não lhes compramos todos os sorvetes e roupas merecidas.
Elas cresceram sem que esgotássemos nelas todo o nosso afeto.
No princípio subiam a serra ou iam à casa de praia entre embrulhos, comidas, engarrafamentos, natais, páscoas, piscinas e amiguinhas. Sim, havia as brigas dentro do carro, a disputa pela janela, os pedidos de sorvetes e sanduíches infantis. Depois chegou a idade em que subir para a casa de campo com os pais começou a ser um esforço, um sofrimento, pois era impossível deixar a turma aqui na praia e os primeiros namorados. Esse exílio dos pais, esse divórcio dos filhos, vai durar sete anos bíblicos. Agora é hora de os pais na montanha terem a solidão que queriam, mas, de repente, exalarem contagiosa saudade daquelas pestes.
O jeito é esperar. Qualquer hora podem nos dar netos. O neto é a hora do carinho ocioso e estocado, não exercido nos próprios filhos e que não pode morrer conosco. Por isso, os avós são tão desmesurados e distribuem tão incontrolável afeição. Os netos são a última oportunidade de reeditar o nosso afeto.
Por isso, é necessário fazer alguma coisa a mais, antes que elas cresçam.

 ____________________________________________________
O texto acima foi enviado por Vânia Sueli e cabe direitinho no contexto atual da minha vida, pai de duas filhas, segundo casamento e, agora, avô (uma netinha) tudo conforme o texto. Obrigado Affonso, obrigado Vânia, obrigado às minhas filhas, às quais aproveito para pedir desculpas pelas minhas faltas. Fiquem com Deus!

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Atualização do blog de Edson

Estou testando uma maneira das pessoas amigas poderem atualizar o meu blog, se esta mensagem for postada é porque deu certo.
Vamos ver?! Fiquem com Deus!

Vermelho e Verde

Vermelho e verde pode parecer que são as cores de algum time de futebol ou de alguma escola de samba e que estaremos ressaltando os seus feitos. Não é isso, apesar de que o país anoiteceu ontem vestido de vermelho e preto - as cores da maior torcida de futebol, segundo eles alegam e, acredito, tem muita gente vestida com essas cores no dia de hoje.

Na verdade as cores em apreço estarão em evidência, de hoje ao dia 18 de dezembro, na cidade de Copenhague, Dinamarca, onde ocorre a 15ª Conferência sobre o Clima da ONU. São mais de 190 países ali representados para discutirem sobre meio ambiente mundial. O vermelho representa a continuidade do aquecimento do planeta e o verde representa a defesa pela ecologia. A primeira é a aceleração do processo de decadência do planeta Terra e a segunda é a manutenção da vida. Isso porque está comprovado que as atividades econômicas desenvolvidas unicamente pelo homem é responsável pelas evidentes mudanças climáticas registradas no planeta e que estão pondo a humanidade em risco de extermínio em pouco tempo.

Fazendo um paralelo, podemos observar que muitas dessas atividades são verdadeiros cânceres que estão consumindo a Terra - nãdá mais para identificar onde está a origem de câncer, mas certamente podemos identificar as metástases por todo lado. A medida que as florestas estão sendo destruídas - células malignas derrubando as árvores - fenômenos naturais destruidores de forma inéditas estão ocorrendo nas diversas regiões ou estão sendo repetidas de forma mais agressivas que nos anos anteriores, numa prova inconteste de que algo está errado.

No meu tempo escolar sabíamos da existência de tonardos e tufões, ficávamos imaginando como seriam esses fenômenos da natureza - não ocorrem no Brasil, diziam os professores. Não ocorriam, hoje estes fenômenos estão se repetindo a partir da região sul do país e a cada ano com maior poder de destruição, deixando um rastro de dor e desolação para os sobreviventes. Aprendemos que na região norte do nosso país está concentrada a maior floresta e maior bacia hidrográfica do mundo - e novamente a nossa imaginação nos levava a ver imagens de abundância total: muita água e muitas árvores! Eu tive a graça de percorrer, no final de 1975, uma trilha no interior do alto Amazonas, mais precisamente na cidade de Cucui-AM que faz fronteira geográfica com a Colômbia e a Venezuela, navegamos pelo Rio Negro para chegar àquela cidade. Resgatei essa experiência para dizer o quão ficou gravado aquele momento, respirar ar puro,
ouvir o som da mata e sentir o cheiro daquela terra... e saber que está ameaçada, consumida que está pelo câncer que a destrói aos poucos. Temos assistido pela mídia que a seca naquea região tem se repetido pela falta das chuvas, os rios da bacia amazônica estão secando e os seus leitos aparecem rachados, da mesma forma que costumamos ver na região nordeste e que foi vista no sul e sudeste em anos anteriores. Isso tudo em decorrência da ação indiscriminada do homem empreendedor, do homem plantador, do homem criador de gado - faltou o adjetivo que representa a grandeza, a ganância e a avareza da maioria dessas pessoas que estão promovendo a destruição da natureza em busca da expansão dos seus negócios de produção.

Diariamente estão sendo queimados milhares de quilômetros quadrados de mata virgem para ceder lugar a pastos ou plantio de grãos como a soja e outros igualmente rentáveis. Falta o exercício de uma política pública séria e realmente compromissada com o meio ambiente, que garanta a nossa sobrevivência de forma menos impactante e invasiva. Diversos cientistas espalhados pelo mundo estão tentando descobrir o que causa o câncer no ser humano e lutam para descobrir uma forma de conter esta doença maligna, que consome as células boas do corpo levando a pessoa a falência vital.

O câncer da Terra, ao contrário da doença dos homens, tem a sua causa conhecida e todos sabem a forma de conter todas as suas metástases. Daí a razão da existência de grupos de pessoas que vestem a cor verde, os ambientalistas e seus adeptos, em oposição àquelas que refletem o vermelho, seja pela atividade direta que promove a destruição ou pela sua omissão de ações que amenizem os efeitos colaterais dessas atividades. Aqui não vale a premissa de que "o essencial é invisível aos olhos" - o essencial aqui é promover e executar ações voltadas para barrar o extermínio da natureza, antes que seja tarde demais. Ampliar o poder da fiscalizaçâo na defesa das matas da amazônia, aumentando o número do contingente humano empenhado nessa empreitada heróica (pelas condições atuais de trabalho), legislar de forma mais isenta para evitar o protecionismo dos políticos/empresários pelas leis que estão elaborando, promover campanhas educativas com maior amplitude visando modificar posturas individuais das pessoas urbanizadas, enfim são inúmeras as formas de iniciar o tratamento antes de vermos o planeta sendo engolido por si mesmo, tragado pelos estragos dessa destuição diária.

Voltaremos a este tema. Fiquem com Deus.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Festa de fim de ano

A comunidade "Quimio! Amigos Guerreiros!" da qual faço parte preparou pelas mãos da Renata (Rê) o vídeo abaixo em comemoração pela chegada do final do ano de 2009. Adorei o vídeo (tente me localizar) e por isso mesmo está ai para ser visto fora da comunidade. Quero participar da festa do próximo fim de ano! Fiquem com Deus!

sábado, 5 de dezembro de 2009

Nos embalos de sábado a noite

Na noite de hoje me peguei com o pensamento lá atrás... mas não me fixei em nenhuma data, em nenhum momento especial, apenas deixei o pensamento viajar no tempo. Acho que eu queria era rebobinar a fita ou parar o tempo aqui mesmo, a ansiedade deixa as pessoas confusas, E é este sentimento que tem sido a tônica dos últimos dias, as dúvidas se misturam com a certeza (acredito) que tudo vai dar certo nesta cirurgia. Não creio no fim do prazo de validade para agora. Tenho muito que aprender nesta vida e se depender desse diploma, espero que demore a ser assinado pelo Reitor celestial.
Estou deixando me embalar pelas ondas da vida, independente de ser sábado ou estarmos no turno da noite, como tenho dito mudei o meu modo de viver e tenho procurado ser muito mais tolerante. Infelizmente não me apercebi dessa necessidade há mais tempo, porém não cabe arrependimento pelo que foi feito, muito menos pelo que foi deixado de ser feito. Foi como foi porque tinha que ter sido assim, para que hoje eu possa conhecer outras formas. Faz parte do processo de crescimento pessoal, quando podemos abstrair essas nuances.
Hoje de manhã fiz uma coisa que fez a Jack chorar, não era minha intenção provocar tristeza ou pensamentos contrários a nossa fé na vitória final. É que sou muito prático e obejtivo, explico isso para justificar o episódio matutino. Desde que fui operado deixei de usar camisas de algodão, com botões, e passei a usar camisa polo, para combinar mais com o novo biofísico - mais magro que o normal e as camisas ficaram grandes, folgadas. Até mesmo as camisas de malha que eu tinha ficaram folgadas, quando comprei outras de tamanho menor. Bom, hoje resolvi desocupar a minha parte no guardaroupa e juntei todas as camisas para doá-las. Sei que não mais irei usá-las, então por que guardá-las por mais tempo? Se tem alguém que pode estar precisando delas, o melhor é dar mesmo. Foi o bastante para criar um clima de tristeza, entendi a situação, sei que é difícil tudo isso. Não quis fazer dramas nem chamar a atenção, não preciso desse expediente para ser notado, a prática do amor tem feito esse papel muito bem, as atenções são mútuas, sem apelações de qualquer ordem.
Este sábado realmente foi muito melancólico, a começar pela manhã quando estivemos na nossa casa na Praia de Jacumã para buscar alguns pertences antes de fecharmos o negócio da venda que está quase cooncretizado. Colhi os cajús maduros como se fosse a última vez (em razão da venda), enquanto a Jack juntava as louças e outros utensílios da cozinha. Outros frutos já estão em andamento, como a pinha, graviola e coco verde. Encarei a venda da casa como sendo de necessidade para investir em outras coisas, mas sempre fica uma pontinha de quero mais...
Bom, estamos chegando ao final desse dia, amanhã o sol irá brilhar novamente e com mais luz, mais calor e certamente novos ares estaremos respirando e vivendo...
Fiquem com Deus!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

A Linha do Tempo

Voltando para a abordagem do tema anterior, percebemos que o mundo atual tem levado as pessoas a perderem um dos maiores referenciais da vida: o tempo. Se perguntarmos quantos anos faz que determinado evento ocorreu, provavelmente ficaremos surpresos diante da resposta e deixamos escapar a pergunta: "- Tudo isso?! Parece que foi ontem", acrescentamos.
O tempo está passando mais rapidamente ou a velocidade das informações é que tem aumentado e contribuido para nutrir esta sensação?! Muitas vezes me pego refletindo sobre o assunto e a impressão que tenho é que muitos fatores contribuem para este fenômeno. Alguns exemplos a seguir serão dados para justificar a tese de que o homem tem "acelerado" o tempo, provocando uma ruptura na linha natural dos fatos e acontecimentos que nos faz perder o nosso referencial.

Assistir televisão diariamente tem sido muito danoso para quem não quer ver o tempo passar... antigamente podíamos dizer que era justamente para se ter o efeito contrário, ou seja os programas serviam de entretenimento para "ajudar a passar o tempo". Mal acaba um programa semanal como Fantástico, Domingo Legal e tantos outros... e lá estamos novamente recebendo as chamadas diárias para o próximo programa a ser exibido... Isso para citar apenas os domingueiros, ocorrendo o mesmo para os demais programas que são exibidos ao longo da semana.

Deixando os programas de lado, mas ainda de dentro da televisão, nos deparamos com informações que aproximam demasiadamente o futuro dos dias atuais. Trazendo para o nosso dia a expectativa de viver situações antes nunca pensada. Um exemplo prático. Desde o ano passado, 2008, estamos vivendo o ano de 2010. É como se o ano de 2009 já houvera sido devorado. No mês de março deste ano já tinha fabricante de automóvel apresentando a sua linha de produção de 2010.
Hoje pesquisando na net descobri que tem sites, mais de um milhão e duzentos mil, falando das Olímpiadas de 2016... pode isso?? Estão devorando as de 2010, 2012 e 2014. O mesmo ocorre quando se fala da copa do mundo de 2010 que paesar de ainda não ter ocorrido, tem sido assunto da mídia há anos atrás e, o pior, a expectativa da copa de 2014 suplanta na mente dos torcedores brasileiros o evento do próximo ano. Então, com tantas datas na cabeça, qual é mesmo a data de hoje? Em que ano estamos? Vamos festejar a entrada de 2010 de olho em 2014, 2016... afinal, o ano ainda nem chegou e já tem o olhar da maioria voltado para o seu final. A razão disso está nos dois maiores eventos que ocorrerão a partir do sexto mês daquele ano, a copa do mundo de futebol e a realização das eleições para presidente, senadores, governadores, deputados federais, estaduais e distritais (estes somente em Brasília) - grafados em minúsculos pelo desmerecimento de deferência. Então, juntamente com o carnaval começam os abusos das falas dos políticos até a chegada nas urnas - podemos dizer que o ano de 2010 foi vencido desde já!

Uma coisa começa a acabar depois que é consumida mais da sua metade... é lógica! Mas, acabar antes de começar é triste, é as trevas! Para citar a fala da personagem da novela que esperamos ansiosamente pelo seu momento final... que dar-se-á no início de 2010! Olha ai novamente o futuro dentro da nossa vida de hoje.
Moral da história: "O melhor é manter desligada a nossa TV por mais tempo!" Fiquem com Deus!
PS.: A imagem foi baixada pela Internet e pode ter direitos autorais.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Idoso

Hoje me dei conta de que o tempo está passando de verdade. Estacionei o meu carro na Zona Azul, no centro da cidade, numa vaga comum, pelo menos não tinha nenhuma placa indicativa de que era destinada a pessoas idosas ou com deficiência física - observo muito para evitar apropriar-me dessas vagas especiais. Logo surgiram dois funcionários responsáveis pelo estacionamento naquele setor e nada me cobraram (costumam fazer abordagem na nossa chegada para pagar a taxa ou solicitar que deixemos o pisca-alerta ligado no caso de querermos usar o tempo de 10 minutos de carência). Ao invés disso, ficaram calados. Segui então às compras, despreocupado com o tempo. Não tinha nenhum compromisso para esta tarde.
Demorei cerca de quarenta minutos para retornar e pegar o carro. Já estava com o dinheiro trocado em uma das mãos para pagar a taxa de estacionamento, afinal tinha passado os 10 minutos de carência e nem tinha deixado o pisca ligado - o que me obrigaria a efetivar o pagamento. Choquei quando vi um papel na cor rosa preso sob o limpador do parabrisa - esperava encontrar o ticket da zona azul (que é azul, não rosa) - e para o meu espanto aquele papel rosa também era relativo à Zona Azul, criado para os veículos em estado de carência e fiquei chiclete quando vi que estava marcado IDOSO! Portanto, com carência de 60 minutos!
Isso deixou-me liberado do pagamento da taxa e com a certeza de que estou ficando velho!
Aos olhos da dupla dinâmica que marcou aquele X na opção do idoso já rompi o cabo canaveral. Pelo menos uma coisa boa, um proveito dessa doença - isentar, pela minha aparência atual, do pagamento de taxa de estacionamento (pena que não ando muito pelo centro da cidade).
Este fato não foi um caso isolado, tenho notado que ao chegar em alguns locais públicos como bancos e outros em busca de atendimento... prevalece a Ficha Preferencial, que recebo para não desconcertar a pessoa que me deu a senha ou fazer ela pensar que estou querendo ser jovem.
Enfim, são situações novas que vieram com o câncer e por isso não tenho nenhum motivo para comemorar. Quisera ter conquistado esses direitos pelo passar real do tempo e não pelo imaginário das pessoas que me cercam. Mesmo assim, aproveito para tirar uma onda com tudo isso. É a vida. Fiquem com Deus.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Bombou na TV

Hoje vi na televisão, Rede Globo, duas situações interessantes envolvendo pessoas amigas. A primeira delas ocorreu na cidade de Goiânia-GO no dia de ontem, dia 01. Não fosse pela irresponsabilidade dos envolvidos eu diria que o episódio era digno de aplausos pelo ato de solidariedade do amigo, mas poderia ter acabado numa tragédia mesmo. O fato é que um sujeito caiu numa blitz policial e foi constatado que o mesmo estava dirigindo embriagado e a ele foi dado a oportunidade de chamar uma pessoa da família ou um amigo para retirar o seu veículo da delegacia, evitando que o mesmo fosse encaminhado para um desses depósitos de carros apreendidos - afinal o carro não tinha culpa de nada, na visão do bêbado! Então, para acudi-lo, veio um amigo do sujeito todo prosa dirigindo a sua camionete (não me pergunte como ele levaria os dois carros pra casa...). Não levou nenhum, nem outro... o cara também estava embriagado e ainda por cima com a documentação da camionete vencida! Isso é que é amizade, ficaram os dois em cana! Como disse, seria cômico não fosse trágica a situação. Moral da história: Se beber, não dirija mesmo... nem para socorrer um amigo!
A outra situação ocorreu aqui mesmo em João Pessoa-PB no início da manhã de hoje, dia 02.
Uma festa de confraternização de final de ano promovida por um grupo de pessoas amigas... tudo normal não fosse o local de realização dessa festa. O interior de um ônibus coletivo em seu itinerário normal, pegando os passageiros normalmente nas paradas como manda o bom figurino, com direito a ornamentação de bolas de sopro, frutas e outras guloseimas. A amizade do grupo nasceu há 08 (oito) anos na repetição dos encontros ocorridos diariamente na mesma parada (na reportagem dava para entender que era no ponto inicial dessa linha do coletivo do Conjunto Ernesto Geisel), sempre no mesmo horário matutino. Muitas nem sabem aonde a outra mora, são amigas dali, da parada mesmo. Isso sim é uma demonstração de reconhecimento do valor de uma pessoa, mesmo sem maiores vínculos pessoais estão nutrindo o carinho da amizade e da solidariedade humana. Parabéns a esse grupo do Geisel! O importante é considerar as pessoas como sendo nossos amigos de verdade, não importa de que forma nos conhecemos... se no trabalho, na praça, numa festa ou numa parada de ônibus.
Esta segunda história me faz lembrar que no condomínio onde moro ocorre exatamente o contrário, mesmo convivendo a poucos metros de distância muitas pessoas passam umas pelas outras e sequer fazem um cumprimento, esquecem de cordialidades básicas como desejar um bom dia, uma boa noite... Ora, há quem deixe a porta aberta quando entram no prédio - apesar de existir uma placa na porta que adverte sobre o risco de ficarmos expostos a meliantes. Viver em comunidade não é fácil mesmo, não é para qualquer um, é preciso ter tido educação doméstica bastante sólida. Um dia o espírito do grupo do Geisel tomará conta da maioria... Fiquem com Deus!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Cirurgia com a data marcada!


Finalmente está definida a data para a minha cirurgia hepática como sendo o dia 10 de dezembro, a internação hospitalar ocorrerá na véspera, isto é no final da quarta-feira dia 09. Será feita no Hospital Memorial São Francisco, pelas mãos do Dr. Cássio Virgílio - meu ex-aluno no tempo do 1º Grau, quando eu lecionava matemática para a 7ª Série. Uma grande coincidência da vida. Por isso se diz que o mundo gira e um dia até as pedras se encontram novamente.
Graças a Deus estou muito tranquilo, um pouco ansioso, mas bastante confiante no sucesso da cirurgia. Tenho dormido muito bem. Não há com que me preocupar, sempre digo que não devemos antecipar os fatos. Tudo acontece no seu devido tempo. Fiquem com Deus!

domingo, 29 de novembro de 2009

Tradição religiosa: Festa da Penha



Na Paraíba, há 246 anos aconteceu a primeira romaria realizada pelos devotos de Nossa Senhora da Penha e de lá para cá tem aumentado o número de fiéis que acompanham em procissão o retorno da sua imagem para o altar no Santuário localizado na Praia que leva o seu nome. Este evento passou, mais recentemente, a ocorrer sempre no último final de semana do mês de novembro.
O Santuário de Nossa da Penha fica localizado no litoral sul da cidade de João Pessoa, de onde a imagem da Santa é levada em carreata para a Igreja de Nossa Senhora de Lourdes, no fim da tarde do sábado, local de onde retorna seguida de uma procissão com milhares de pessoas já no final da noite, por um percurso de cerca de 14 km. Durante o trajeto ocorrem algumas paradas em pontos tradicionais, como na Santinha – uma esquina, no Bairro da Torre, na qual encontra-se uma imagem da santa permanentemente. Outra parada, onde é celebrada uma missa, é feita na Praça da Paz, no bairro dos Bancários. A procissão cruza outros bairros até chegar ao seu destino final, por volta das 4 horas da madrugada seguinte. São mais de seis horas de caminhada, com pessoas de todas as idades, muitas delas doentes em busca de cura, outras pedindo socorro dos mais diversos tipos e muitas participam para agradecer pelas graças alcançadas.
Eu estive lá ontem durante a adoração e pude acompanhar boa parte da carreata que conduzia a imagem de Nossa Senhora da Penha, infelizmente não pude participar da procissão. Uma grande emoção toma conta das pessoas e só a fé religiosa para explicar tudo isso. Fiz algumas fotos para ilustrar este post. Quem sabe no próximo ano terei a oportunidade de voltar ao santuário seguindo a procissão santa? Foi o que eu pedi. Fiquem com Deus!

sábado, 28 de novembro de 2009

Retrospectiva 2009

Estamos findando o ano de 2009 e diante da realidade da cirurgia a que estarei sendo submetido nos próximos dias, resolvi fazer um olhar para trás e relatar os fatos ocorridos, que continuam latentes na minha memória. Assim, para dar maior sentido e quiçá ilustrar melhor esta postagem, resgatarei também a origem de tudo e razão maior deste diário.
Novembro/2008
Mês no qual iniciamos o tratamento pela quimioterapia, apaguei a data exata, lembro-me de uma pessoa pálida e magra chegando à clínica de oncologia para a primeira consulta. Cabeleira cheia e barba grande, conservada assim pelos últimos vinte anos. Sabia que logo a minha aparência não seria mais aquela, tinha conhecimento de que um dos efeitos colatarais seria a queda dos cabelos - depois constatei que seria quedas de todos os pelos do corpo, como se fosse uma depilação total. E eu que dizia, para me gabar da minha cabeleira: "Eu ficar careca?! Só se for por castigo de Deus!" Perdoe-me, meu Deus, se eu blasfemava quando dizia isso. Não queria colocá-lo em teste, apenas acreditava que o montante desses fios não seriam reduzidos por nada. Mas, foram e isso não foi por nada. Tudo tem o seu propósito. Muitas vezes para apreender determinados ensinamentos temos que receber um impacto grande, que certamente refletirá em nossa volta. Confirmei que vinha dando valores a coisas bobas em detrimento da falta de reconhecimento de outras. Olhar para a minha nova imagem, apartir dali, dava-me a certeza da existência de Deus. E a imagem do físico foi suplantada pelo que vinha do meu interior, como um bálsamo amenizando qualquer sentimento que não fosse o da alegria de viver esse novo momento. Aquele mês foi regado pela esperança de que o tratamento seria por um tempo muito curto, estimava que seria feito em três sessões. Cada sessão, de cinco dias corridos, seria repetida no vigéssimo oitavo dia, contado do primeiro dia da sessão. Não sem antes fazer a feitura de novos exames de sangue - para checar a nossa resistência física ao medicamento. As reações vieram fortes, 48 horas após o último dia. Mal estar geral, humor péssimo, ânsia de vômito (não cheguei a vomitar nenhuma vez) e outras inconveniências do organismo.
Dezembro/2008
Apelei para não fazer nenhuma sessão, mas foi um apelo muito íntimo, era na verdade um desejo pessoal que não foi satisfeito porque não era possível naquele momento. Dividi o momento natalino com a medicação, desejando que seus efeitos fossem minimizados - mas não fui atendido em mais este pedido. E veio o Natal e o as festividades de final de ano, eu ali na luta. Tinha umas trezentas aftas na boca que me impediam de falar ou de gritar. Parecia ser o pior momento de toda minha vida. Lembrei do final de 1973, quando a passagem do ano se deu eu estava sozinho, na cidade de Manaus-AM, com apenas 15 anos de idade! E eu achava que tinha sido horrível aquela experiência! O final de 2008 superou, era lastimável o meu estado geral. As reações foram mais fortes que da vez anterior. Mas, venci e emplaquei o ano de 2009!
Janeiro/2009
Nova sessão de quimioterapia, mais cinco dias corridos tomando a medicação intravenosa. Mais reações e mais fortes ainda. A certeza da continuidade do tratamento veio com o laudo do primeiro PET SCAN que fiz no Hospital Sírio Libanês, na cidade de São Paulo. Viajei sozinho carregando na bagagem uma mala cheia de pedido ao nosso Pai e Criador, por intercessão de nosso Senhor Jesus Cristo. Pedi muito que fossem mostradas nas imagens daquela tomografia um estado de cura, para que o tormento desse lugar a satisfação de uma nova oportunidade. Porém, não fui atendido na plenitude dos meus desejos. Acho que deixei uma brecha quando repetia que fosse feita a Sua vontade, não a minha! Estranho isso, pedir uma coisa (querendo que seja daquele modo que estamos pedindo) e ao mesmo tempo dizer "que seja feita a Sua vontade!" Será que isso demonstra insegurança?! Em todo caso não quis contestá-lo e entendi que a vontade Dele era para continuar a quimioterapia.
Fevereiro/2009
Retomei o tratamento com a quimioterapia. Na mesma dosagem do primeiro ciclo (conjunto de três sessões de quimioterapia). Foi a quarta sessão, também de cinco dias corridos. Dessa vez o bicho pegou feio. As reações vieram em dose de elefante. Quase bati a caçoleta, as botas... enfim quase morri mesmo! O veneno para as células ruins afetavam também com a mesma intensidade as células boas, desguarnecidas que estavam pela baixa imunidade do meu organismo. O meu exército estava enfraquecido e aquela batalha estava pondo em risco a minha vida. Não era chegada a minha hora e resisti na UTI do hospital para onde fui levado. Ali foi diagnosticado um quadro de aplasia medular que acarretou uma gastroenterite seguida de um ataque cerebral isquêmico transitório que me deixou parcialmente cego durante alguns dias. Foi um mês marcado de idas e vindas a hospitais, clínicas e consultórios médicos. Chorei muito também. Uma força maior foi tomando conta de mim e superei toda as dificuldades daqueles momentos. A visão foi recuperada dentro do prazo previsto pelo neurologista e a primeira leitura que consegui fazer foi o Salmo 22.
Março/2009
Os acontecimentos ocorridos após a última sessão - internação hospitalar - fez com que o oncologista mudasse o protocolo diminuindo a dosagem e a forma. Trocando a miúdo, reduziu para apenas um dia a medicação intravenosa, aplicada na clínica e a medicação dos outros quatro dias foi substituída por comprimidos de Xeloda 500 mg, tomando quatro cápsulas ao dia, durante quatorze dias. De fato deu certo, as reações foram minimizadas. Uma reação diferente chamou a atenção do meu médico, apareceram listras claras nas minhas unhas das mãos, bem delineadas e chamativas, segundo ele só tinha visto isso através da literatura médica - demorou muito para desaparecer. Restava a falta de apetite, cãimbras, repulsa a gelados e outras menos agressivas. Sempre olhava para aquela que seria a última dose...
Abril/2009
Fui mais tranquilo para quinta a sessão, ia ser repetido o protocolo anterior. Ou seja, a ida a clínica para a medicação intravenosa ficou reduzida a um dia, complementada pelo Xeloda em casa. Ao fim daquela sessão recebia um pacote com 54 comprimidos, a serem injeridos aos pares no café da manhã e no jantar. As reações foram as mesmas, nada de anormal. Passei a ocupar a mente de todas as formas possíveis. Resolvi mudar a aparência do meu carro, que pode ser vista no forum http://www.clubedosiena.com.br/ na seção Turninng/Facelife. Bombou naquele site o resultado das modificações que implementei no meu Siena. Serviu como terapia ocupacional, apesar de ter acelerado o processo de desvalorização do carro. São valores que foram descartados da minha vida.
Maio/2009
Este mês foi especial por vários motivos. O primeiro decorre de ser o mês do meu aniversário natalício, o primeiro na condição de lutador contra esta doença implacável. Cada dia vivido, era como ter que matar um leão a toda hora. Segundo, estava fechando mais um ciclo e renovava a esperança de ver o término do tratamento decretado. Fiz o segundo PET SCAN, desta vez no Hospital Português, na cidade de Recife-PE. O resultado chegou a ser comemorado. O tumor estava inerte, como que adormecido. Mas, por precaução o oncologista resolveu pelo prolongamento da quimio. Mais um ciclo, disse-me ele, estamos no caminho certo. E assim, terminou aquele mês, com a certeza de que viria o terceiro ciclo.
Junho/2009
Talvez tenha sido o melhor do ano. Não fiz quimio. Vieram os festejos juninos, para mim a melhor festa de tradição que temos. Repeti a queima da fogueira na casa da Praia de Jacumã, depois de muito tempo ausente daquela casa. Foi um feriadão muito gostoso e na noite de São João recebemos a visita de muita gente, alguns até ficaram para dormir num quarto improvisado na varanda da casa. Fiz o fechamento das paredes com plástico preto, o mesmo usado na construção civil. Parecia que não tinha nada, graças a Deus sem nenhum sintoma de nada. Muito bom mesmo aquele período do ano.
Julho/2009
Retomei a quimioterapia. Mesmo protocolo anterior. Mesmas reações. O interessante era o "choque" que eu sentia nas mãos quando pegava em algo gelado. Ingerir gelados nem pensar, era desagradável mesmo. Creio que seja efeito do xeloda, não sei. Só sei que sentia assim. Para ocupar a mente e ver o tempo passar, fiz algumas obras em madeira. Aproveitei para presentear a minha mãe com um altar feito de madeira e revestido com palitos de picolé, feito por mim. Também nesse mês recuperei uma cadeira infantil, cobrindo-a toda com palitos de picolé e foi dada de presente para a Ana Vitória (minha neta).
Agosto/2009
Chegou e passou assim sem novidade alguma. E isso é motivo de ser especial, por ter sido sem intercorrências médicas. Só a ida à clínica para a sessão de um dia e novamente sem reações estranhas. Um mês digno de comemoração mesmo. Contrariando o dito populart que diz que agosto é o mês do desgosto... Nada disso, para mim foi ótimo. Alugamos a casa da praia por um período de três meses, o inquilino pretendia comprá-la ao fim do contrato.
Setembro/2009
O mês findou trazendo a derradeira sessão de quimioterapia. E hoje gostaria de está tendo que fazê-la, pode isso? Explico no tópico seguinte.
Outubro/2009
Depois de muita dificuldade consegui fazer mais um PET SCAN, também na cidade de Recife-PE, ainda no Real Português - como também é conhecido. E o resultado trouxe preocupações na certeza de que a quimioterapia por si só não foi capaz de eliminar totalmente o tumor. Era preciso partir para algo mais invasivo: uma cirurgia para extirpar a parte ruim que resiste em ficar.
Novembro/2009
Ficou marcado pelas idas a consultórios médicos, laboratórios e clínicas especializadas tudo para avaliar a possibilidade de fazer a cirurgia hepática e os seus preparativos preliminares. Ainda ontem fiz o último desses exames, os resultados serão mostrados ao cirurgião para então ser marcada a data da internação hospitalar. Um mês inteiro na ansiedade, torcendo para que tudo transcorra da melhor forma, com a graça de Deus.

De forma bastante resumida fiz um relato dos fatos. É possível fazer uma leitura dos posts que foram publicados em cada um desses meses, estão todos gravados e disponíveis neste blog. Para tanto basta fazer rolar a página para baixo. Boa leitura, fiquem com Deus!

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Cintilografia - Parte II



Cá estou na clínica para fazer a segunda parte do exame cintilografia. Após ter sido medicado com o contraste, mandaram-me ficar aguardando por duas horas para então dar início à captura das imagens. Foi dada a opção de sair e retornar na hora aprazada. Decidi ficar e esperar. Devendo ficar numa sala isolada juntamente com os demais pacientes devido a radiação provocada pela medicação que foi injetada na veia (olha ela ai novamente). Achei interessante o fato de que posso sair da clínica, levando comigo a radiação, mas não posso ficar na recepção juntamente com as demais pessoas. Mas, tudo bem. Não vale a pena querer entender tudo nessa vida, há momentos nos quais o melhor é seguir as orientações sem muitas delongas.
Vim preparado para esperar e trouxe comigo o notebook para ajudar a passar o tempo. Este é o primeiro post que faço diretamente do local da ação. Pena que não tenha acesso à Internet para proceder a atualização do blog em tempo real, quem sabe em outras ocasiões isso será possível. Estou providenciando a aquisição de um modem dessas operadoras de telefonia, assim terei mobilidade e acesso ao mesmo tempo. Tenho nesses equipamentos, nessas coisitas, um escape para o estresse e tem ajudado bastante no meu tratamento.
Cada um de nós tem que procurar desenvolver atividades que nos dão prazer, isso é muito importante para quem se encontra num quadro clínico como este. Não podemos perder de vista que a vida não acabou e tem que ser absorvida com toda intensidade de sempre e até mesmo com mais vontade de fazer as coisas.
Este post só será concluído quando eu chegar em casa. Como disse acima, estou na sala de espera destinada aos pacientes “radiotivos” aguardando a hora para fazer as imagens.
Já estou em casa para concluir e publicar esta postagem.
Foram mais de duas horas de espera, para finalmente ser chamado para entrar na sala de exames. A máquina registra imagens do coração a cada trinta segundos e em diversos ângulos. Veja a foto do equipamento acima, também tem uma foto minha posando deitado logo após a conclusão do exame. Fiquem com Deus.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Cintilografia - Parte 1

Hoje fiz a primeira parte do exame cintilografia do miocárdio, requisitado pelo cardiologista para emitir o laudo do risco cirúrgico. É um exame feito em duas sessões, uma em cada dia da semana. Há um preparo do paciente, quando são colocados terminais no nosso dorso para receber os eletrodos durante o exame em si e um cateter na veia para que seja injetado o contraste. O paciente deve estar em jejum de cafeína.
O exame não traz nenhum desconforto físico. Nessa primeira sessão, que durou cerca de duas horas e meia, foram dois os seus momentos. Iniciamos com um passeio na esteira... parecia que eu estava subindo uma ladeira sem fim. O corpo conectado à maquina que registra todo o esforço que estava sendo feito, bem como buscava saber se tinha alguma veia obstruída. Mas o fôlego foi suficiente para toda a jornada e demorou apenas 10 minutos naquela sala. Retirada parte dos terminais fiquei em outra sala a espera da sessão de imagens que foram feitas uma hora e meia depois.
As imagens foram feitas a partir de um equipamento da família dos tomógrafos, uma das diferenças é estarmos conectados pelos eletrodos, creio que em número de três. Nos demais não há nenhuma conexão com o equipamento. Deitado de costas e em posição de assalto... isto é, com os braços acima da cabeça! Pouco mais de vinte minutos foi o tempo para serem feitas as imagens do coração. Creio que ele se sentiu uma estrela hoje com tantas fotos que foram feitas.
E amanhã tem mais! Vamos esperar para ver como vai ser. Fiquem com Deus!

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Diversidade

Para diversificar ainda mais o tema desse blog, hoje abordaremos alguns assuntos desligados do mundo da doença. Afinal a vida continua, não é mesmo?

RESULTADO DA ENQUETE

Na enquete anterior perguntamos sobre a cor das letras da frase ORDEM E PROGRESSO que encontra-se estampada, há 120 anos, na Bandeira Nacional brasileira. Pouca gente participou, mas os números dessa brincadeira corresponde de fato a realidade do nosso povo que tem o desligamento cívico como uma de suas características. É verdade que no ano que vem, ano de copa do mundo, esta pesquisa pode até apresentar estatísticas diferentes das de hoje e a razão disso está no "patriotismo futebolístico". A maioria do povo passa a ostentar este símbolo nos seus carros, nas varandas dos apartamentos, hasteadas em árvores pelos jardins, etc.
Mas, vamos aos números. As opções de cores eram quatro: branca, preta, azul e verde; as opiniões ficaram divididas assim: 40% acreditam que seja preta, 40% foram de verde e 20% optaram pelo azul. Acertou quem disse ser VERDE a cor das letras. Quero lembrar aos que pensaram na cor preta que esta cor não faz parte da nossa bandeira, esqueceu que são quatro as cores da bandeira nacional: Verde, amarela, azul e branca? Valeu pela participação.

DIA INTERNACIONAL DO DOADOR DE SANGUE

Em homenagem ao Dia Internacional do Doador de Sangue, nesta data, este post será feito na cor vermelha que representa este precioso líquido. Naturalmente se fossemos aqui representar o que de fato é o sangue na nossa vida, iríamos ter que usar uma aquarela ou uma diversidade de cores ao longo desse texto.
O que importa é o destaque que devemos dar a todas estas pessoas que voluntária e rotineiramente estão doando parte do seu sangue e, por este ato, estão salvando vidas todos os dias. Na nossa cidade, João Pessoa, são cerca de quatro mil doadores cadastrados. A eles rendemos agradecimentos e reconhecimento por este ato caridoso, extensivo a todos os demais doares espalhados pelo Brasil e pelo resto do mundo.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Contagem regressiva

Por mais que o tempo seja ocupado o pensamento vagueia e a imaginação ganha proporções astronômicas. Estamos nos aproximando do dia que farei os últimos exames para o pré-operatório, falta fazer apenas uma cintilografia do miocárdio - exame cardiológico, que é feito em dois dias. De posse do resultado de todos os demais exames voltarei ao cardiologista para ele avaliar o meu estado clínico geral e emitir o laudo do risco cirúrgico. Ai sim, com os exames e o risco cirúrgico definido voltarei ao cirurgião para a marcação da data da internação hospitalar. A previsão é para a primeira semana de dezembro, assim, com a graça de Deus, estarei em plena recuperação para os festejos natalinos.

O QUE SINTO
Esta doença tem a característica de ser silenciosa e os seus sinais podem aparecer tardiamente. Aparentemente não sinto nenhum sintoma, nada desagradável ou que me tire o estímulo da vida. Não fosse a confirmação da sua existência pelas imagens obtidas em diversos exames eu diria que não tenho nada de anormal. Mas, a realidade é esta mesma, estamos combatendo um inimigo perigoso, traiçoeiro, impiedoso e mortal. É verdade também que somos maiores que tudo isso quando estamos com Deus no coração, nosso aliado nessa batalha, nosso protetor maior.

O BONÉ
Ontem abandonei um amigo, esteve comigo nos últimos acontecimentos e em todos lugares. Só saia de casa com ele e, se o esquecia voltava para pegá-lo. Era como ter a necessidade de vestir uma camisa, uma calça ou uma bermuda. Assim era com o meu boné, meu velho amigo! Uma amizade nova, apesar de sempre ter tido um para usar em viagens a passeio. Hoje eu vejo com outros olhos (ou será com outros cabelos?!), depois de tantas participações nas quais esteve mais presente. Sempre tive complexo de culpa por ter um par de orelhas muito retro... que bobagem! Agora sei o quanto somos tolos, muitas vezes nos pegamos valorando coisas sem sentido algum e menosprezando as que têm verdadeiro valor para a nossa vida. Puxa vida, eu mereci esse puxão de orelhão que acabei de me dar. Voltemos ao boné. Não o aposentei ainda, apenas vou deixá-lo mais a vontade em casa. Sei que ficará a postos e sairá novamente comigo quando for preciso.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Aniversários

Hoje é o aniversário da minha filha mais nova, ela se chama Pollyana. A qual dedico este post. Fui buscar nos dicionários online alguma definição da palavra "aniversário" e trouxe duas para ilustrar este post, abaixo coladas:
"Diz-se do dia em que se completa um ano ou anos que certo acontecimento se deu."
"Comemoração da volta anual de uma data em que se deu certo acontecimento."

Dia em se completa um ano ou anos que certo acontecimento se deu - o acontecimento aqui foi a chegada de Pollyana, como presente de Deus, para somar na nossa caminhada, trazendo alegria e felicidade.
Comemoração da volta anual de uma data... A data é a de hoje, 23 de novembro. Desde a sua chegada até hoje tem voltado para a nossa comemoração anualmente, peço a Deus, nesse momento, que esta data volte a se repetir por muitos e muitos anos para você Pollyana e que os anos nunca endureçam o seu coração, com as suas Bençãos de Luz. Saiba que não é somente pela passagem desta data que faço este pedido a Deus, faço-o todos os dias da minha vida.
Esta singela homenagem que estou lhe rendendo é para dizer a todos os cantos do mundo do amor que tenho por você, Feliz Aniversário minha filha! Que Deus a abençoe. Amém!

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Cirurgia do fígado - hepatectomia parcial

Pesquisando na net encontrei um texto explicando didaticamente todo o procedimento cirúrgico ao que estou próximo de realizar, segue abaixo, com a citação da fonte.

Hepatectomia parcial

O que é: É a retirada cirúrgica de parte do fígado

Para que é feita: É realizada para tratamento de tumores primários de fígado e metástases hepáticas de outros tumores em casos selecionados (principalmente colo-retais e carcinóides)

Contraindicações mais comuns:

· Função cardiopulmonar comprometida
· desnutrição severa
· função hepática comprometida
· doença metastática extra-hepática
· invasão da bifurcação da veia porta ou trifurcação das veias hepáticas
· quantidade prevista de parênquima hepático restante <>Como é feita: A cirurgia na maior parte das vezes é realizada por via aberta, através de uma incisão transversa na parte superior do abdome, acompanhando a curvatura formada pelas costelas. A videolaparascopia pode ser utilizada, dependendo da localização e tamanho do nódulo a ser retirado (cirurgia realizada através de pequenos orifícios na parede abdominal com o auxílio de uma câmera de vídeo e instrumentos especiais). A utilização de ultrassonografia transoperatória é fundamental para a identificação correta da localização dos nódulos durante a cirurgia, assim como a relação destas com os vasos sangüíneos do fígado. Através deste exame, novos nódulos não identificados em tomografia computadorizada ou ressonância magnética também podem ser localizados. Os vasos sangüineos que chegam e deixam o fígado são isolados. Após o controle vascular, a parte do fígado comprometida é retirada. Pode-se diminuir a necessidade de hemotransfusão durante a ressecção hepática utilizando técnicas de exclusão vascular, hipotermia, hipotensão controlada, aspiração ultrassônica, coagulação com argônio ou simplesmente atendo às técnicas convencionais de ressecção. Ao final da cirurgia, um dreno é deixado próximo a superfície onde o fígado foi cortado, para monitorar sagramentos e vazamento de bile.

Quanto tempo dura: de 3 a 4 horas

Recuperação pós-operatória: No período pós-operatório imediato o paciente deve ficar na UTI (24h), para monitorização de sangramentos e função hepática. Quando estável, retorna para o quarto. A dieta é iniciada por boca no 2o- 3o dia após a cirurgia, se o intestino estiver funcionando. Após a remoção cirúrgica de parte do fígado (em um fígado normal até 75% pode ser retirado), ele começa a se regenerar em 48 horas e atinge tamanho próximo ao normal em 3-4 semanas. A função volta ao normal em 6-8 semanas.

Tempo médio de internação: de 7 a 10 dias

Complicações mais freqüentes:
clínicas
· pneumonia
· trombose venosa profunda e tromboembolismo pulmonar
· insuficiência hepática
cirúrgicas
· sangramento
· “vazamento” de bile pela superfície do fígado que foi cortada

Alterações no estilo de vida: Praticamente nenhuma, após recuperação da função hepática.
Fonte: www.cirurgiadocancer.com/imagens/conteudo/.../hepatectomia.doc

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Dia da Bandeira Nacional

Em muitas comemorações esportivas e principalmente durante a realização de copa do mundo o povo brasileiro recorda que tem uma bandeira nacional. Ai ele se torna um cidadão cuidador da pátria, demonstrando todo o seu amor pelo país. Mas se ao longo do ano alguém lhe perguntar as cores da bandeira, hesitará em responder - poucos são os que praticam o civismo de forma ampla. Hoje, por exemplo, somente os quartéis cuidaram com mais carinho desse símbolo nacional - nem sei se nas escolas existem mastros para serem hasteadas solenemente.
Poucos lembram que hoje é o Dia da Bandeira, menos ainda imaginam a razão de ser desta data. Pois bem, para estas pessoas mais esquecidas direi que o dia 19 de Novembro foi dedicado à comemoração desta Bandeira, com o formato e cores do jeito que conhecemos, em decorrência da proclamação da república - que ocorreu no dia 15. Antes de ser República, o Brasil era um Império e como tal tinha o seu símbolo, a sua bandeira que perdeu o sentido de ser diante da nova forma de governo, sendo subsituída pelo modelo atual, cujo traçado e cor tem, cada um, o seu significado.
Destaco um fato curioso nessa transição de regime de governo, com o advento da República (dia 15) o país precisava de uma nova bandeira que foi providenciada imediatamente, mas que ficou pronta somente quatro dias depois - dia 19. O fato curioso é que nesses quatro dias ficamos sem nenhuma bandeira - a do Império não poderia ser mais ostentada e faltava a bandeira nova para substituí-la.
Agora peço que respondam a enquete que trata da cor das letras da frase "Ordem e Progresso" que encontramos na nossa Bandeira Nacional. Fica a pergunta: qual é a cor das letras da frase Ordem e Progresso? Participe da enquete e prove que você é mesmo um brasileiro conhecedor dos seus símbolos.

Hepatectomia


É isso, para quem sabe nem preciso dizer que trata-se de uma cirurgia no fígado. Também utiliza-se o termo ressecamento para dizer ao paciente que ele será levado a uma mesa de cirurgia para retirada de parte desse órgão. Parte porque não foi dito ao final a palavra total... menos mal. E menos mal ainda por sabermos que dele pode ser retirado, numa pessoa adulta, até 75% do seu tamanho original. É o único órgão que se regenera, recuperando o que lhe foi retirado - acho que é como no caso do rabo das lagartixas. No meu caso, pouco mais da metade será apartada de mim. Essa parte já não me pertence mais, um bocado disso corresponde ao tumor e um outro bocado servirá de margem de segurança para qualificar a cirurgia, maximizando o seu resultado que esperamos ser positivo.
Bom, esta foi a maneira que encontrei para dar a notícia confirmatória do ato cirúrgico ao qual estarei sendo submetido já nos próximos dias. Saí do consultório médico com as requisições de exames pré-operatórios, incluindo a solicitação do risco cirúrgico feito pelo cardiologista.
Melhor seria que estivesse me preparando para realizar uma viagem a passeio, mas nessa impossibilidade, vamos nos preparar mesmo para a realidade e enfrentá-la com a mesma coragem e determinação. Assim como foi há quatorze meses atrás e que deu origem a este blog.
Para aqueles que estão iniciando a leitura por este post, quero dizer que em 2008 participei de uma mesa cirúrgica na qual deixei literalmente o meu estômago... e a este procedimento é dado o nome de gastrotecmia total. Viu a palavra total ao final do termo? Pois foi isso que ocorreu, retirada total do estômago que estava sendo consumido pelo câncer. O câncer do estômago se foi, mas deixou rastro. O que é chamado de metástase! Isto é, quando o câncer migra de um órgão para outro. As células malignas são seletivas, só querem comer carne boa, carne de primeira! Daí a migração em busca de se alimentar de células sadias de outros órgãos. É por isso que é muito importante o diagnóstico do câncer em sua fase inicial, quando se tem um percentual maior de cura em vários tipos dessa doença.
Tenho acumulado vasto conhecimento sobre o meu caso específico e é somente sobre ele que teço meus comentários, qualquer outra informação aconselho a você procurar por um médico. Pois bem, o câncer de estômago, por onde fui iniciado, pode ser detectado em uma das suas quatro fases. A sua gravidade aumenta de acordo com o número de fase e quanto mais cedo mairo as chances de cura. Na fase um, por ser a menos grave, a chance de cura é maior. Eu fui mais fundo, quero dizer em mim só foi diagnosticado quando o mesmo estava se deliciando na última fase... é uma doença silenciosa, traiçoeira e que requer exames preventivos dos quais parece que eu havia me esquecido. Homem é homem, não chora.
Melhor assim, não ficamos com sentimentos de culpa por não termos ido ao médico periodicamente. A mulher, que tem na saúde pública, vários programas voltados para a sua preservação não tem justificativa para ainda sofrer com câncer dos mais diversos – aqueles que podem ser diagnosticados em sua fase prematura. De tantas campanhas de saúde acabam se beneficiando disso e indo aos consultórios com mais frequência.
Independente de ter ou não política de saúde para sexo tal ou de tal etnia o importante é cada um ter a consciência da necessidade de consultas médicas mais freqüentes, evita o agravamento de qualquer infortúnio na saúde.
Bom, como adianta chorar sobre o leite derramado, vamos continuar o relato sobre a cirurgia hepática. Pelo relato do médico, o procedimento cirúrgico dura cerca de 4 horas... recuperação de 48 horas na UTI e permanência hospitalar por mais 7 dias até obter a alta hospitalar. Estarei relatando mais esta experiência, com a graça de Deus. Paciência, vocês vão ter que esperar para saber como foi mesmo que me sai dessa. Fiquem com Deus!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Primeiro Aniversário


Há exatamente um ano atrás iniciei a publicação deste blog com o objetivo de relatar as minhas experiências e vivências pós-diagnosticado portador de câncer, compartilhar informações pertinentes ao assunto e ainda como instrumento de terapia ocupacional. Posso dizer que hoje tenho vários motivos para comemorar esta data, afinal um ano é uma medida de tempo muito importante para quem convive com este diagnóstico médico. Muitos foram os posts publicados ao longo desse primeiro ano, vários comentários foram deixados pelos leitores que por aqui passaram e serviram como incentivo para continuar com os meus relatos. Destaco abaixo o primeiro comentário que foi feito no blog pelo meu amigo Pedro, editor do jornal eletrônico http://www.portalbip.com/ e como tantos outros, conforme disse acima, serviram para dar continuidade a esta empreitada.

Pedro Andrade disse...
"Edson, gostei da sua iniciativa de colocar o seu problema de saúde para o público, como alerta, para darmos mais atenção aos nossos problemas de saúde. A forma narrativa está boa."

Podemos notar que o blog não ficou somente no relato das experências com a doença, procurei diversificar os assuntos fazendo abordagens das mais diversas. Assim estava dando testemunho às pessoas de que a vida continua num ritmo normal, fora do mundo hospitalar ou da doença.
Aproveito este espaço para agradecer a todos aqueles que mesmo tendo fica no anonimato, mesmo sem ter postado algum comentário, contribuiu com as suas bençãos para podermos ter chegado a este primeiro aniversário e, consequentemente, iniciar a nossa marcha para o ano dois.
Somente com a benção de Deus podemos galgar novas posições nas estatísticas da vida. E as pessoas abençoadas por Ele comportilham as suas graças entre si. Amém. Peço ao Divino Espírito Santo a graça de continuar com o discernimento e a força para prolongar ainda mais o número de publicações diárias a que tenho me proposto desde a criação deste diário eletrônico, livre e aberto a todos quantos dele queiram saber e conhecer. Muito obrigado pelo primeiro ano, vamos com Fé para o início do segundo ano... e que não seja o segundo tempo da partida! Fiquem com Deus.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Dia do Estudante

Hoje fui consultar-me com um cirurgião especialista na caixa torácica, aconselhado pelo cirurgião especialista em fígado (sic) para avaliar o resultado do PET no que diz respeito aos meus pulmões. Foi um alívio a conversa que tivemos após o médico ver as imagens obtidas no referido exame. Apesar de nutrir sempre a confiança e a esperança, uma nuvem negra pairava sobre a minha cabeça nos últimos dias. Tanto era assim que mexeu com o metabolismo do meu organismo provocando um ligeiro desarranjo intestinal. Repito, a conversa médica de hoje provocou um grande alívio e fez levar para longe as incertezas. Até brinquei com ele ao dizer que da nossa conversa eu estava extraindo que tenho, no mínimo, mais dois anos pela frente! Uma conversa otimista e animadora, tonificante mesmo. E tudo isso graças a misericórdia de Deus!
Imagine se eu tivesse ouvido da necessidade de ter que realizar qualquer procedimento invasivo na minha caixa torácica? Basta ter que cuidar da caixa de marchas do carro...
O recomendado agora é cuidar da possibilidade de fazer o ressecamento do tumor que ainda resiste no fígado, mas não será por muito tempo essa resistência. Vamos debelar isso e fazer com eu volte a saborear aquele fígado gostoso que encontro na casa da minha mãe, sem nenhum remorso... pensar que estou comendo um fígado que poderia ser o meu? Brincadeirinha, mas bem que poderiam fazer transplante de fígado usando o de boi, muitas vidas seriam salvas com mais facilidade.
Bom, amanhã irei ver o cirurgião que irá fazer a operação no meu fígado. Já falei que ele foi meu aluno no tempo de primeiro grau?! Fui professor dele, de matemática, quando cursava a sétima série. Ainda bem que era matemática... biologia ele aprendeu com outro! Estou mais confiante!
E hoje, 17 de Novembro num programa de televisão foi dito pelo apresentador que hoje é o Dia do Estudante! Pesquisei na internet e encontrei divergências nessa informação, falam em 24 de Março, 11 e 18 de Agosto, mas não vi nada sobre a data de hoje. Por que essa informação foi passada assim para mim? Creio que algum significado tem, nada é por acaso. Reforça ainda mais a minha confiança e esperança nas providências divinas. Seja em que data for: Parabéns, estudantes! Fiquem com Deus.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Insônia

Como tenho dito estou bem, repetindo sempre para ser uma verdade. De fato, comparado com a fase inicial do tratamento - cujas reações ocorreram de várias formas e intensidade - hoje não fosse a comprovação do diagnóstico pelos últimos exames eu diria a doença foi vencida. Mas não é bem assim, quisera poder gritar aos quatro cantos que fiquei curado da carne. Entretanto, posso dizer que o meu espírito vem vencendo todas as batalhas. E isso é muito importante, ajuda na terapia.
Ontem a noite, depois de vários meses sem nenhuma alteração física, não passei muito bem. Desde o final da tarde eu sentia ligeiros caláfrios, típicos de processo febril/infeccioso, agravados mais ainda quando estiquei o corpo na cama para dormir. Normalmente adormeço sem muitas delongas e varo a noite num sono solto. Infelizmente, não foi bem assim na noite passada. Diria que fui vencido pelo cansaço mesmo, mas foi um sono quebrado e inquieto. Apesar de tudo isso, participei como ator principal de momentos de sonho. Sonhei que estava sendo medicado por uma espécie de sonda, com a medicação injetada aos poucos no meu organismo. Sonhei, em outro momento, que estava pilotando uma motocicleta ou bicicleta em direção a uma festa de rua... ia ao encontro de várias pessoas amigas! Interessante foi o momento que passei a dirigir um carro, tipo EcoSport, preto, apenas manobrava da garagem para a rua e vice-versa, para permitir a passagem da minha moto pelo terraço...
O caláfrio sempre voltava para me despertar e embarcar em outras aventuras noturnas, das quais não guardei lembrança devido ao tumulto dos fatos reais. Perdi a noção da hora ao me levantar para beber água, quando me certifiquei que passava apenas dois minutos das quatro horas da madrugada... o dia logo iria receber a luz solar novamente e parecia que eu ainda não tinha dormido, apesar de lembrar desses devaneios motorizados.
Aproveitei para visitar o sanitário, a minha bexiga estava cheia, mas percebi que não ficaria apenas no número um... e o número dois deixou-me preocupado! Pela falta de consistência do material expelido, estava se evidenciando um desarranjo intestinal - tudo que não queria nesse momento. Mas, tudo bem. A manhã está avançando sem que outra visita tenha sido feito ao trono, exceto a tradicional visita de todos os dias que ocorre sempre no início do dia. Estou mais tranquilo. Tomei chá com biscoitos salgados acompanhado de uma banana machucada com açúcar. E estou conversando com o meu intestino para que o mesmo restabeleça a ordem, seja qual for o motivo inicial dessa peleja.
Ah, marquei uma consulta com cirurgião torácico para avaliar os desatinos dos meus pulmões, será realizada amanhã pela manhã.
Fiquem com Deus!

domingo, 15 de novembro de 2009

Estou bem, obrigado!

O meu blog ultimamente tem assumido, sem nenhuma pretensão, um caráter diferente de um diário pessoal. É que os fatos recentes da minha vida, do meu tratamento, tiveram desdobramentos e estavam ainda em fase de alguns encaminhamentos. Mas, retomo nesse momento para a manutenção de um perfil mais pessoal. O nascimento do blog se confunde com o meu renascimento, aconteceram na mesma época e guardam entre si dois meses de diferença. Nesta semana este blog completará o seu primeiro ano.
Como disse acima o meu tratamento teve desdobramento importante que, de certa forma, trouxe inquietude e um pouco de preocupação para mim. O último PET - tomografia por emissão de pósitrons - deixou evidente o comprometimento de dois outros segmentos do fígado, confirmou novamente o nódulo na tireóide e sinalizou para pequenos nódulos nos pulmões.
Costumo dizer que para um bom entendedor meia palavra basta... e foi essa meia palavra, dita pelo meu oncologista, quando encaminhou-me novamente para um cirurgião geral dando conta de que os tumores pareciam estar ganhando resistência à quimioterapia o suficiente para cair a ficha novamente para a realidade do meu caso. É a minha vida que está sendo tratada, não é um enxerto de pele, uma necessidade de fazer um tratamento de canal para não perder um dente ou uma colocação de uma prótese estética qualquer.
Somos os únicos animais dotados de consciência e podemos perceber e extrair conhecimentos do que se passa ao nosso redor. E dentre nós, há aqueles que percebem as coisas de forma mais célere que outros, não que estes sejam menos capacitados, talvez seja por vontade própria para evitar o sofrimento quando chegamos a saber de algo que não nos faz gosto. Posso dizer que estou dentro do grupo que prefere a verdade, mesmo que esta faça doer!
Quando me perguntam como estou passando, continuo respondendo: Estou bem, obrigado! Porque é verdade, continuo sentindo-me bem a cada instante. A cada novidade que chega, porque logo ela passa e deixa de ser novidade para dar lugar a outro fato novo. Nada nesta vida é duradouro. Entretanto, um minuto pode parecer uma eternidade quando estamos angustiados e pode ser ainda mais desgastante para o nosso organismo alimentar o relógio da eternidade.
Se é verdade que o câncer parece está ficando resistente, é verdade também a minha resistência física aos danos que ele está me causando, dentro de mim. Que fique ali dentro, não permitirei a sua exteriorização. É o que ganhando de Deus, o conforto e a esperança de que tudo irá acabar bem... O acabar bem é relativo e devemos ter a consciência disso. O que é afinal o significado dessa expressão que costumamos dizer ou ouvir tanto?
Acredito que qualquer doença tem o poder de mexer com as pessoas, seja o paciente ou seu(s) acompanhante(s), alterar o seu metabolismo e este alterado contribui para o avanço de certas doenças a que estamos suscetíveis - são esses riscos a que estamos expostos pelo simples fato da nossa existência. Ninguém veio imune ao fim da vida, chegaremos lá num dia qualquer - uns mais cedo que outros, mas todos nós chegaremos lá. O que importa é como tratar isso, como encarar um fato que é real e principalmente, quando por instinto, julgamos que está ficando próximo demais.
Uma das coisas que precisamos assimilar é que estamos esgotando as possibilidades, estamos tentando com os meios disponíveis - e até com os meios que a providência divina tem feito. Recordo-me das palavras da médica num Hospital do Câncer em Natal-RN, ao ver os meus exames e saber do tratamento a que vinha sendo submetido, foi taxativa: "se o senhor não tivesse feito essas quimios, talvez o senhor não estivesse mais aqui hoje." Importante o que ela disse e serve para uma reflexão acerca da quimioterapia, é um tratamento que deve ser encarado sem medo para vencer todas as reações; mesmo que ao final você escute do seu médico que ela não está fazendo o efeito esperado... Ora, durante todo o tratamento pedimos que ela acabe logo... e agora, parece que queremos que ela aja dentro de nós! Parece um contracenso, não estamos sabendo o que queremos?
Eu respondo por mim. Os meus pedidos constantes a Deus têm sido pela sua misericórdia, pela sua orientação direta aos médicos que estão me acompanhando. A todo momento agradeço pelo dia vencido, afinal a sua obra ainda não acabou. Fiquem com Deus!