quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Florescer

Muitos desejam Um Próspero Ano Novo, encontrei em florescer uma palavra que tem muito a ver com este momento de renascimento, de coisa nova. Além, claro, de nos lembrar de que apesar de estarmos em pleno verão estamos em fase de frutificar, para a colheita do que plantamos ao longo do ano que fica pra trás.
Novamente foco o olhar no retrovisor para fazer uma reflexão do que foram todos esses dias, o que foi realizado e o que não foi possível fazer acontecer, mesmo com toda boa vontade, seja no âmbito da família, seja no trabalho. Percebo claramente que o saldo foi positivo, não tenho do que reclamar. Se mais não foi feito, temos as nossas justificativas e as limitações que nos foram impostas.
Em todos os aspectos venho registrar o meu mais profundo agradecimento a todos com quem tenho convivido, àqueles que só me conhecem através deste blog e que já fazem parte das pessoas queridas -muitas até vivenciando experiências semelhantes as minhas, razão maior de manter vivo este boletim virtual. Agradecimento maior ao nosso Deus pai, que tem sido misericordioso e complacente com as minhas falhas. 
Então, vamos todos comemorar o presente, festejando com alegria o raiar de um novo ano - para mim já são 53. Uma data memorável que pode ser, muitas vezes, o início de uma nova vida com o nascimento de uma relação de amor. É isso, mais uma vez, quero desejar a todos um Feliz 2011, Próspero, Florido e Saudável, na paz do Senhor. Amém!

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Retrospectiva 2010

O ano está acabando, tempo de fazer balanço em nossa vida. Olhar para trás, procurando ver as coisas boas e ruins que nos aconteceram ao longo deste ano. Agradecendo por todos esses momentos, bons ou ruins, afinal, nada nos acontece por acaso. Nenhuma folha cai de uma árvore sem a permissão do nosso Pai Celestial, se é assim para as folhas, é também para a vida de qualquer um de nós.
Devemos, ao invés de reclamar daquilo que nos desagradou, ver que algum proveito tiramos da situação. No mínimo ganhamos experiência que, certamente, nos ajudará para evitar a repetição do fato na continuidade da nossa jornada.
Particularmente, o balanço que faço é positivo. Estou sobrevivendo e vencendo os obstáculos que foram sendo apresentados, às vezes, tive que optar por este ou aquele procedimento. Adiamos, por exemplo, a retirada da tiróide por algum tempo, buscando o momento propício que acabou acontecendo. Depois foi a vez de adiar a iodoterapia (que continua em aberto) para poder voltar a combater, com quimioterapia, a recidiva do tumor no fígado. Ainda bem que é um único tumor, se fossem vários, a situação seria mais complicada.
Pude retornar ao trabalho, enfrentando novos desafios. Foi uma coordenação de uma seção, depois veio outra e agora estamos diante de um desafio maior. Não conheço o medo e gosto da realidade como ela é, do contrário seria irreal e eu sou real, estou presente neste mundo até a hora final, ou, se quiser adiantar o relógio da vida, até o momento que eu acreditar que não sou capaz de mais nada. E isso não vai acontecer comigo, não sou peru de natal, que morre de véspera.
Por falar em véspera, estou a um dia de retornar ao cirurgião para que ele solicite a ressonância magnética que apontará o grau de redução do tumor com estas doses de quimioterapias a que fui submetido ao longo desses últimos noventa dias. Claro que estou ansioso, tenho perdido peso, intestino acelerado e alguns momentos de introspecção que me leva ao silêncio que até pode incomodar a quem estar ao meu lado. É fato, não estou sadio. Reconheço as minhas debilidades físicas e as limitações a que estou sendo imposto nos dois últimos anos da minha vida; mas, ela não parou! Deus não me quer nesse momento, não sabemos do seu tempo e dos seus própositos.
Sou grato por tudo que me ocorre, imagine a felicidade de ver nascer uma neta, participar do seu primeiro aniversário, acompanhar os seus primeiros passos, ouvir as suas primeiras palavras e ser chamado de vovô! Ainda bem que nao é uma palavra polissílaba... Participar da alegria dessa criança de descobrir a fantasia do Papai Noel e estar prestes a participar da sua segunda festa de aniversário! É uma bênção, não acha?! Uma verdadeira Vitória encarnada e personalizada. Assim é a minha alegria de participar da vida da minha neta: Ana Vitória. Nome que não foi escolhido ao acaso. 
Por hoje, fico por aqui, desejando que tenham passado um ótimo Natal, na paz de Cristo, o aniversariante de todos os momentos.   


sábado, 25 de dezembro de 2010

É Natal


Natal, época de renovar o espírito, lavar a alma de todas as impurezas acumuladas, de renascimento e de muitos festejos do povo cristão. Eu disse povo cristão, de Cristo, de Jesus Cristo! Filho de Deus que veio ao mundo na forma de uma pessoa comum, sem posse alguma, pobre mesmo. Nasceu num estábulo, divindo espaço entre vacas e outros animais, fugindo da perseguição política que queria a sua morte antes mesmo de nascer.
Nasceu no dia 25 de dezembro, há 2010 anos. E na noite do seu nascimento, foi visitado por três reis que lhes deu presentes e as boas vindas a este mundo. Sobreviveu a todas as intempéries inerentes a uma criança que nasce naquelas condições - não existia SAMU, UPA, nem UTI neonatal. Maria, mãe de Jesus, nunca ouviu falar em pré-natal; mas sabia que carregava no seu ventre um filho varão, concebido sob a graça de Deus. José, marido de Maria, aceitou aquela condição e defendeu Jesus, como se filho dele fosse!
Já não mais perguntavam ao casal, quando virá o herdeiro?! Como fazemos até hoje quando encontramos uma pessoa recém-casada - para depois perguntar: quando vai fazer um irmaozinho?! Naquela época, me parece que os médicos não faltavam ao seu plantão: pois nem médico existia, cada um conhecia um pouco de cada coisa que lhe afligia e cuidavam com ervas que, hoje, chamamos de milagrosas. Enquanto o verdadeiro milagre é a própria vida e, muitas vezes, não nos damos conta de que somos vencedores desde o primeiro choro - apesar do tapa que levamos na bunda para despertar e iniciar as atividades do pulmão. O que me faz lembrar que já é hora do Conselho Tutelar da Criança proibir este ato de violência, cuidando para que encontrem outra forma; quem sabe chamar pelo nome que receberemos em batismo. Basta perguntar a parturiente que ela dirá o nome da criança.
Bom, voltando ao tema em tela, quero afirmar que nós somos escolhidos para habitar este mundo e zelar pela continuidade da espécie humana. Isso significa que devemos cuidar um do outro e das coisas da natureza que existem para suprir as nossas necessidades em geral, todos tem importância na cadeia da vida. Se não cuidamos, padecemos pelas nossas faltas. Sabemos que Jesus veio ao mundo para salvar o povo de Deus, os oprimidos, os perseguidos, os que não tinham nada em seu nome; um burro velho sequer, burro novo, zero quilômetro nem pensar. A cada ano um burro novo era lançado no mercado, uns com cauda coloridas, outros com olhos arregalados, alguns com três olhos, tração nas quatro patas, enfim, em cada esquina existia um curral de vendas desse tipo de transporte tão comum. José e Maria tomaram, por empréstimo, um desses burros velhos, sem ar condicionado, sem direção hidráulica, simples mesmo, sem freios e sem marcha de ré e partiram na velocidade segura - José não bebia e a sua carteira de habilitação estava em dia, buscando um local seguro para o nascimento do Salvador.
Enfim, chegaram a Jerusalém, deixando para trás o perigo e a morte certa. Era um momento não só de nascimento de uma criança, mas de um Instrumento de Deus que quis dar mais uma chance a todos nós. Daí chamarmos, Jesus, de Nosso Salvador. Não tem nenhuma ligação com O Salvador da Pátria, de Lauro Muniz, com a personagem Sassá Mutema. Jeus nasceu com a missão de salvar o homem dele mesmo, das porcarias que fazia, das injustiças, da intolerância e de todos os pecados que cometidos. Passados 2010 anos, olhamos para o nosso lado e percebemos que, nesse tempo todo, não mudamos muito. Percebemos que muitos continuam olhando apenas para o seu próprio umbigo. Ainda bem que o tempo de Deus só Ele conhece, quem sabe ainda teremos outros 2010 pela frente ou será mesmo que o fim será em 2012?
Eita, falei demais hoje. Vamos ficar por aqui, dizendo que montei o vídeo acima para prestar minha homenagem ao aniversariante do mês, do ano e de todos os nossos dias. Feliz natal para todos! Fiquem com Deus.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Culto Ecumênico

Ontem, no final do expediente, foi o momento da nossa confraternização de final de ano. Mais uma vez optamos por realizar um Culto Ecumênico, representante espírita, padre, pastor e uma representante das religiões de matrizes africanas.
Eu não podia deixar em branco esta oportunidade de falar a todos que compartilham, direta ou indiretamente, as atividades laborativas na Secretaria de Saúde, aonde sabem que continuam trabalhando. A mim foi garantido um momento e, na ocasião, fiz a leitura do que chamei de Mensagem de Final de Ano que havia sido redigida por mim. Atendendo a solicitação de algumas pessoas que não poderam estar presentes, estou publicando no blog. Vamos lá!

MENSAGEM DE FINAL DE ANO!

"Boa noite a todas e a todos que aqui se encontram presentes!
Para mim é uma grande alegria poder estar neste momento de confraternização, participando deste Culto Ecumênico, onde todas as crenças e credos religiosos encontram eco e se harmonizam de forma verdadeira.

Aproveto este espaço de tempo para a agradecer a Deus por permitir que cada um de nós pudesse aqui ter chegado, pedindo a Sua proteção no retorno aos nossos lares.

Tenho motivos muito fortes e pessoais para continuar agradecendo pelas graças que tenho alcançado ao longo desses dois últimos anos da minha vida, por mais paradoxal que seja. Todos sabem que continuo em tratamento médico, fazendo quimioterapia para combater um tumor que havia sido aniquilado e há dois meses resolveu retornar. Mas, com a misericórdia Divina e o avanço da medicina estamos no controle, o que é motivo para continuar nos agradecimentos.

Faltei as duas últimas confraternizações, na de 2008 eu estava só a graça... um caco mesmo! Recém-operado para a retirada do estômago e com fortes reações por conta dos quimioterápicos. Na confraternização do ano passado, também estava recém-operado - havia sido retrada quase a metade do fígado e toda a minha vesícula. Em meados de 2010, foi a vez da tireóide sair de cena...

Hoje, cá estou, sob efeitos mais brandos da quimioterapia, o que me permite executar as minhas tarefas na Secretaria de forma quase normal. E isso é motivo de estender os meus agradecimentos a todos vocês que fazem parte desta Secretaria, pela compreensão, pelo carinho, pelos cuidados de algumas pessoas, pelas palavras de apoio ou por um simples olhar de admiração que recebemos pelos corredores.

Entãom, aceitem os meus mais profundos agradecimentos e vamos pedir a Deus, por todos nós, para que Ele nunca nos falte. Que Ele zele pela nossa saúde, pela nossa família e pelo nosso povo. Assim seja!"    

sábado, 18 de dezembro de 2010

Reajuste salarial

Eu não poderia ficar calado diante deste descalabro dos parlamentares federais e início com uma pergunta:
- O que leva um povo a parecer tolo? Uma das respostas a esta pergunta é a passividade ao extremo diante de determinadas decisões governamentais, qualquer que seja esfera de onde tenha partido. O exemplo mais recente é o reajuste salarial concedidos aos parlamentares federais (por eles próprios), incluindo senadores e o presidente da república. Um reajuste absurdo e injusticável da ordem de 62%!!! Uma vergonha quando lembramos que o salário mínimo sofreu reajuste de menos de 10%, enquanto anunciam que os servidores públicos não terão nenhum índice de reajuste para o ano de 2011 - para conter os gastos públicos!
Sabemos que por tabela, num verdadeiro efeito cascata, as assembléias legislativas estaduais acompanharão a decisão do reajuste no mesmo percentua dos parlamentares federais, já que na maioria dessas casas legislativas prevê salários limitados a 75% do que percebem os parlamentares federais.
A reação passiva do povo a este feito vergonhoso o bem caracteriza como de um tolo. Nós somos (pelo menos a maioria) o bobo da corte, que a tudo assiste e ainda encontra motivos para rir da própria desgraça. Ainda estamos na era que valem lemas: "Aos amigos tudo e aos inimigos a lei!"; "Cadeia é para pobres e pretos!"; "Leve vantagem você também!" - a famosa lei de Gerson, lembra? Esses e outros lemas absurdos continuam fazendo parte do dia-a-dia de milhões de pessoas por este país afora. Um país que tem tudo para dar um salto de qualidade, para mostrar a verdadeira grandeza de uma nação e a capacidade de fazer diferente, isso às vezes passa pela cabeça de alguns em determinados momentos e como fumaça logo se dissipa no ar. 
Recentemente assistimos e vibramos com a força tarefa atuando na cidade maravilhosa do Rio de Janeiro, acreditando que seria dado um basta aquela situação caótica na qual estava mergulhado o povo sofrido da periferia. Durou pouco a sensação de vitória, quando percebemos a facilitação dada a centenas de fugitivos perfilados, armados, que adentravam para a comunidade vizinha - sem nenhuma reação agressiva da força tarefa. Enquanto nós, tolos mortais, assistíamos a tudo como se fosse um filme no qual éramos os diretores e se assim fosse, mandaria abrir fogo sobre a fila indiana que buscava refúgio em novos esconderijos.
Uma verdade precisa ser dita, os grandes inimigos do povo não estão em esconderijos secretos, eles estão alojados nos gabinetes da república, nas casas que dizem ser do povo (tolo quem acredita nessa baboseira de ter uma casa com tamanho conforto, nem mesmo as do PAC chegaram de verdade para diminuir o défict habitacional). 
Negam melhoria de vida a milhões de nós outros, enquanto se locupletam de forma acintosa. Nenhuma das autoridades econômicas do país fez qualquer comentário contrário a este reajuste. No início da semana, a arrecadação de impostos bateu novo recorde, ultrapassou a casa de um trilhão e duzentos milhões de reais!!! Prá onde vai tanto dinheiro??? Para a farra do boi, para alimentar a ganância de uma minoria desse pais chamado Brasil.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Novo dia

Amanhã será um novo dia e com ele nova sessão de quimioterapia, a terceira deste ano e quiçá a derradeira. Estou marcando os meus compromissos como noiva marca a data do casamento, ela em função da última menstruação e eu em função da próxima sessão de quimio. Ela (a noiva) para aproveitar a lua de mel e eu para poder estar me sentindo bem, sem enjoos. Ela (a noiva) pode até voltar (da lua de mel) sentindo certos enjoos... eu não. Prefiro estar de bem com o meu organismo, ou melhor prefiro que ele (o meu organismo) esteja de bem comigo. Eita, desculpe-me pelo trocadilho. Tudo isso é para manter o blog atualizado com as últimas notícias, assim fica mais fácil para aqueles que estão pedindo a Ele por mim; precisam estar informados para fazer o pedido certo, na hora certa.
É isso, amanhã, terça-feira, por volta das 9 horas da manhã estarei dando entrada no quarto onde serão injetados, nas minhas veias, os venenos para a bicharada (como diz meu amigo George) se alimentar. Depois disso e depois do Natal, farei uma ressonância magnética da região abdominal para verificar o resultado da comilância desses três meses. Anotem ai na sua caderneta de pedidos a Deus: que me seja concedida pelo menos mais uma trégua nessa batalha pela vida, para que eu possa permanecer mais algum tempo por aqui, por acreditar que ainda não conclui a minha missão terrena (pelo menos acredito que falta alguma coisa; melhor, faltam muitas coisas mesmo).
Paz e harmonia para todos, fiquem com Deus, pois tenho estado com Ele sempre!

domingo, 12 de dezembro de 2010

Final de ano!

Estamos quase iniciando a contagem regressiva para o fianl do ano de 2010. Olho para trás e recordo exatamente quando ingressei no serviço público, no ano de 1982, quando foquei o olhar para frente calculando quando seria a minha aposentadoria. Pelos meus cálculos seria exatamente em setembro deste ano... afinal já estava com sete anos de carteira de trabalho assinada, que somado aos 28 anos (2010 - 1982 = 28) completaria o tempo mínimo de serviço exigido em Lei (naquela época). Apesar de distante, eu acreditava que chegaria a este momento da minha vida. Porém, não da forma que se apresenta.
De lá pra cá muitas coisas mudaram. Novas leis foram aprovadas, alterando a forma de aposentadoria do servidor público, a minha vida mudou radicalmente nos últimos dois anos com o diagnóstico do carcinoma. Mesmo com todas essas mudanças no trajeto, mesmo com todas essas alterações não desejadas, não sonhadas e nem imaginadas, estamos chegando ao final daquele ano que seria um marco na minha vida - 2010. Passamos pela bug do milênio, pela Odisséia no Espaço e agora estamos aguardando o alinhamento dos planetas para 2012, com tamanha velocidade que até assusta. 
As pessoas não pensam mais, motivados pelo calor da mídia, no que vão fazer no ano vindouro e sim no que farão daqui a quatro, oito, dez anos... Copa 2014, Olimpíadas 2016 – Brasil 2017. Já estão até vendendo ingressos, quiçá estejam alguns esgotados! Os carros, maior bem de consumo dos brasileiros, têm os seus lançamentos do ano seguinte lançados no início do ano corrente... uma loucura! Mal acaba o carnaval e lá vem festa de carnaval fora de época para marcar o início da próxima temporada carnavalesca. O mundo tem pressa, as pessoas têm pressa e os sentimentos ficam esquecidos na correria do dia-a-dia, será que necessitamos mesmo utilizar toda essa parafernália "moderna", mesmo que ela se contraponha ao exercício de uma vida saudável?
Eita, pensei escrever sobre o que estou sentindo com a proximidade do final de acabo fazendo esse desabafo. Tem nada não, amanhã, quem sabe, retomo o assunto do final de ano, afinal, assim como numa rede de televisão, podemos criar uma espécie de mini-série para fazer esta abordagem e que ao fim acabe tendo um desfecho feliz para todos nós, com a graça e permissão de Deus. Fico por aqui, nesta manhã de domingo ensolarada, desejando a todos um bom início de semana, não sem antes pedir que continuem torcendo por mim - amanhã farei exames de sangue de rotina, exigidos sempre na véspera de uma sessão de quimioterapia, que será realizada na terça-feira. Assim, o meu calendário para esta semana estar aqui divulgado e a depender das reações a rotina de trabalho ou recolhimento nos momentos mais pesados. Abraços e beijos no coração. Fiquem com Deus.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Profissão:ativo!


Imagem baixada na Internet
 Estou de volta, desta feita quero compatilhar o momento atual que estou vivenciando no meu trabalho. Normalmente as pessoas em situação de saúde na qual nos encontramos, outras em até melhores condições, preferem se afastar do trabalho e recorrem a uma aposentadoria por invalidez. Condição que não considero para mim, pelo menos agora. Sou servidor federal, cedido ao SUS, lotado na Secretaria de Saúde do meu município, desempenhando as minhas atividades laborativas observando, obviamente, as minhas limitações físicas. Para isso conto com a compreensão dos meus superiores e daqueles que trabalham diretamente comigo, naqueles momentos de debilidade ou quando que tenho de me afastar para a sessão da quimioterapia.
Sinto-me muito bem e confesso que estou, neste momento, no meu melhor momento profissional. Posso dizer que é grande o desafio de continuar labutando e que vale a pena qualquer sacrifício da minha parte. Gosto do que faço e das pessoas com quem trabalho no dia-a-dia. Assim como sou cuidado em casa pelos meus entes queridos, sinto também que estou sendo cuidado pelos meus colegas e colaboradores no trabalho. Para citar um exemplo, tem uma pessoa que estar sempre perguntando se já bebi a água, se quero outro copo e lá me vem com um copo cheio dágua. Assim como essa pessoa, muitas outras demonstram preocupação com o meu estado de saúde. Por mais que eu agradeça a todos, só aumenta a minha dívida de reconhecimento por estes gestos de carinho e de afeto a minha pessoa. Deus sabe das coisas e tudo ver, certamente, estar colocando créditos na linha da vida de cada um. São créditos para serem usados em todas ocasiões e sem limites de tempo.
Então, o trabalho, além de dignificar a pessoa, contribui para impulsionar a vida do indivíduo, mesmo que lhe pareça difícil continuar no batente. O importante é continuar na ativa, considerando-se útil e contribuindo para o bem estar comum de todos que dependem do seu trabalho.
Outro dia fui à um órgão da Receita Federal e constatei uma servidora portadora do Mal de Parkinson trabalhando no atendimento ao público, percebi que aquela pessoa estava fazendo exatamente o que deveria ser feito por muita gente: dar continuidade à vida, mesmo que com limitações. Sabemos que existem muitos servidores públicos que, sem nenhuma razão, são inoperantes ou trabalham a passo de tartaruga, talvez, estes devessem estar aposentados por inservidez! Um brinde à saúde de todos! Fiquem com Deus. 

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Força, palavra de ordem!

A última postagem gerou comentários cuja palavra de ordem é FORÇA! Tal palavra ajuda sobremaneira a continuarmos lutando, enfrentando o que podemos chamar de adversidades da vida. Agradeço a todos pela demonstração de carinho, de solidariedade e sobretudo de apoio inconteste a nossa pessoa, sinto-me, sem dúvida alguma, renovado e reforçado em todos os flancos e, principalmente, na vanguarda. Muitos sabem muito bem o que é viver "diagnosticado" e outros, talvez, convivam diretamente com pessoas nessa mesma condição na qual nos encontramos. Se vamos sair dessa, só Deus sabe!

Atualizando as notícias, informo que estive no consultório do médico cirurgião na esperança de ter marcada a ressonância magnética, conforme tínhamos combinado, para avaliar a evolução do tumor depois dessas duas sessões de quimio. Mas, infelizmente, não foi bem isso que ocorreu. Recomendou mais uma sessão, fechando o primeiro ciclo e no final do mês de dezembro, quando teremos encerrado a terceira sessão, faremos a bendita ressonância. Tudo bem, uma a mais, uma a menos, não me abalou muito. O que devo fazer agora é aproveitar esta semana de lucidez, para por em dia alguns compromissos pessoais que vinham sendo adiados nas últimas semanas.

Graças a Deus, as reações estão minimizando e passo o dia mais tranquilo. O trabalho tem me ajudado a superar esses momentos. Os meus auxiliares estão sempre cuidando de mim, tem uma delas que estar sempre a perguntar: quer água? e lá vem ela com um copo de água natural (sabe que fico sensível ao gelo)! Fico por demais agradecido a todos.

Bom, por enquanto é isso. Fico por aqui, desejando que tenham um bom inicio de final de semana. Lembrando aos que gostam de beber, direção não combina com álcool. Fique com Deus.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Final de mês

Com o final do mês de novembro estou chegando ao término da última cartela do Xeloda desta segunda sessão de quimoiterapia. Pense na ânsia que sinto só de olhar para os comprimidos na hora das horas, café da manhã e janta. São três por vez. Sem tocar neles despejo da cartela diretamente num copinho, seguindo orientações da clínica.

Depois de amanhã tenho consulta marcada com o Dr. Cássio Virgilio, médico que me acompanha na área do fígado, fez a cirurgia e tem me acompanhado desde então. De lá sairei com a requisição para fazer a ressonância magnética. Mais um exame, estou quase perdendo a conta de quantos foram feitos ao longo dos últimos dois anos. Eita, que já se foram mais de dois anos! Terceiro Natal! O primeiro deles foi logo após a primeira cirurgia, a que me levou o estômago fora, nas sequência vieram as primeiras sessões de quimio - isso foi em 2008. Depois veio o Natal de 2009, também logo após uma outra grande cirurgia - me deixou sem a metade do fígado. O que me reserva o Natal de 2010?! Apenas ressaca da terceira sessão de quimio ou terei feito outro procedimento para conter o tumor que reapareceu há dois meses?! Não sei, o futuro a Deus pertence. E Nele eu confio e entrego a minha vida. Amém! 

domingo, 28 de novembro de 2010

Ablação

Atendendo a vários pedidos (sic) retorno ao teclado para atualizar o nosso diário (que estar sendo quase um semanário). Primeiro, quero dizer que o silêncio tem sido também em casa. Estou realmente com pouca paciência e com poucas palavras. Acho que para preservar o meu lado positivista, evitando chegar ao desânimo ou coisa parecida. Como tenho dito nas últimas atualizações ainda ando pela metade, esperando não passar desse ponto e certo de que em breve estarei com a situação definida. Bom, vamos ao nosso relato de hoje.

Na primeira semana de dezembro farei uma ressonância magnética para avaliar o comportamento do tumor ante as duas últimas sessões de quimioterapia. Ressalto que faltam dois dias para concluir a injestão dos comprimidos (seis por dia) de Xeloda. Com o término dos comprimidos, num total de 84, entro na fase de respouso composto de sete dias, para, na sequência, iniciar a terceira sessão da quimio. É nesse período que farei a ressonância, cujo resultado dará o rumo ao tratamento. A depender do resultado, posso interromper a quimio e partir para a ablação por radiofrequência para eliminar o tumor ou continuar na quimio até que o tumor regrida para um tamanho que possa ser combatido com poucos tiros.  

Já postei sobre o que é a ablação! Não é um abração! Mas, espero que seja a brastemp do tratamento...

Bom, meus amados irmãos, amigos, leitores, fãs, seguidores, admiradores no momento é isso que tinha para dizer e atualizar este diário. Faço uma pausa, desejando a todos uma ótima semana e que todos tenham um domingo muito feliz! Fiquem com Deus!

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Conquistas

Neste final de semana refleti um pouco e percebi que continuo sendo abençoado por Deus, por tudo que vivenciei nesta vida. As diversas situações que passei e continuo passando ao longo da minha vida comprovam que não tenho o direito de reclamar de nada. Na verdade, posso dizer que muitas vezes tenho sido até mesmo um privilegiado. Essas situações, algumas vezes, perpassam o material como o fato de ter o meu emprego que me dar estabilidade, ter conseguido educar duas belas filhas, ter acesso à maiorira dos procedimentos médico hospitalar exigidos para o tratamento do câncer, através do plano de saúde privado. 

Passa pelo respeito que consegui acumular ao longo da minha trajetória profissional, seja do meus colegas de trabalho ou daqueles que lidam diretamente comigo. Isso é de fato muito importante, saber que estamos desempenhando o nosso papel nesse mundo de meu Deus. 

Quando do inicio na carreira no serviço público tivemos a oportunidade de participar efetivamente de lutas sindicais em defesa de melhores salários, de melhores condições de trabalho. Era um período de transição política no país, diversos sindicatos estavam sendo organizados sob a liderança de algumas pessoas que acreditavam que estávamos no caminho de construir algo novo. Foi uma época muito dificil mesmo, enfrentar a repressão policial, que empunhavam metralhadoras, cavalaria da polícia militar, enfim, uma luta que parecia desigual, mas acabamos sendo vitoriosos nesse processo político. Talvez, tenha sido por acreditar na força do coletivo, do velho ditado: a união faz a força!

Neste final de semana, coroando tudo isso, tive uma oportunidade ímpar na minha vida, partilhada por poucas pessoas, da qual sinto um certo orgulho. Num evento de confraternização estive ao lado do Prefeito da capital e do Governador do Estado, eleito nas últimas eleições e da Secretária de Saúde, com quem trabalho há seis anos. As pessoas, antigamente, dariam tudo para ter acesso a essas autoridades para poder colocar nos seus bolsos bilhetes contendo pedidos de ordem pessoal. Hoje é diferente. Podemos trocar idéias ou dar sugestões visando o bem da coletividade. Isso é evolução, por isso disse o quanto me considero um privilegiado, por poder estar junto a essas pessoas sem ter que falar-lhes da "minha" necessidade pessoal. Não tenho nada a reclamar, nada a pedir. As minhas reivindicações estão na melhoria e na amplitude dos procedimentos médicos cobertos pelo maior plano de saúde do mundo: o SUS! Aos poucos e com muito esforço ele vai se ampliando, seja por força de liminares, seja pela iniciativa de alguns dirigentes. O importante é acreditar, continuar lutando e defendendo os ideais nos quais acreditamos e esperamos.  

Uma das prospostas do governador eleito, feito na campanha eleitoral, é a interiorização do tratamento oncológico e outros prodimentos de alta complexidade. Atualmente, na Paraíba, só é possível fazer quimioterapia, pelo SUS, na capital do Estado. Espero que realmente seja concretizado esse propósito político. Já disse aqui uma vez e repito, o Brasil tem duas autoridades que têm a obrigação moral de garantir o acesso a todos os tipos de tratamento médico hospitalar a todos os brasileiros, não dar para continuar assistindo pela televisão que eles estão tendo as portas abertas de todos os melhores hospitais, enquanto a maioria do povo morre sem sequer poder pisar na calçada do Sírio Libanês, do Hospital do Câncer do Rio de Janeiro, para citar apenas dois grandes centros de referência.

Bom, por enquanto, fico na esperança de um país melhor, com o povo sendo cuidado com o respeito que merece. Fique com Deus. 


domingo, 21 de novembro de 2010

Apagão

Meio que apagado, meio que sufocado, meio que angustiado, meio que tristonho... tudo pela metade para não enjoar nem preocupar, mas é assim estou me sentindo nesses últimos dias. Essa retomada à quimioterapia não tem trazido outras reações senão essas de ordem psicológica. No ínicio do ano passado, quando modificamos o protocolo das sessões, e foram inseridos os comprimidos para serem ingeridos em casa parecia ter sido a melhor solução para evitar as constantes idas aos hospitais em decorrência das fortes reações provocadas pelas dosagens via endovenosa. Hoje, sinto forte repulsa a esses comprimidos! Ao olhar pra eles, ainda embalados, sinto náuseas e preciso de muito controle para conseguir colocar as três unidades no copinho, não podemos tocá-los com as mãos, e fazê-los descer de goela abaixo. Tenho me valido do limão, cheirando uma banda aberta, nessa operação.

Apesar de tudo, não me sinto castigado por Deus. Continuo firme no propósito de prosseguir seguindo todos os procedimentos médicos, considerando todas as possibilidades e consciente do grande inimigo que temos nesta jornada. Como também tenho a consciência de que maior que tudo isso é Deus! Se estou nesse barco não é por acaso, ele certamente me levará ao lugar certo, ao porto seguro, conduzido sob as mãos do nosso Senhor, todo poderoso, mesmo que venham tempestades sucessivas, um dia virá a calmaria! E com ela a paz e tranquilidade, tanto sonhada por todos nós. 

Mais uma vez quero agradecer a cada uma das pessoas que optaram por seguir este blog e ressaltar o quanto tem sido importante para a continuidade dessas escritas. Hoje não foi diferente, ao notar que o número aumentou, chegou mais uma pessoa. Como disse no início, ando meio apático, meio desanimado (não com a vida em si) e ao perceber que a chegada de mais pessoa percebi o quanto estou sendo pequeno ao deixar de atualizar estas páginas. E se as pessoas resolvem me seguir, merecem respeito e atenção. Afinal, não escrevo para mim. Escrevo para aqueles que desejam uma leitura que condiz com o título do blog... que conte uma história de uma pessoa que estar superando as adversidades dessa doença que se chama câncer. Nunca pretendi, com os meus depoimentos, deprimir as pessoas, ao contrário, a minha intenção é demonstrar com clareza que enquanto há vida, há esperança! Momentos pra baixo todos nós temos, não é necessário estarmos doentes. O que não podemos permitir é que esses momentos se apossem da nossa vontade e impeçam os nossos movimentos. Superá-los é preciso, ultrapassar cada obstáculo se faz necessário, de preferência um de cada vez e para isso é melhor que não estejam acumulados.

Quero dizer, nesse momento, que com todas essas metades de sentimentos me empurrando pra baixo, não retrocedo um palmo e tenho encontrado forças para tocar as coisas que me competem fazer, sejam elas em casa ou as atribuições pertinentes ao trabalho. Sem dúvida que é um grande desafio continuar trabalhando, para vencê-lo, conto com a compreensão da gestora, dos meus pares e daqueles que estão sob a nossa coordenação direta. Sem essa compreensão de que somos capazes de continuar na labuta, as coisas seriam mais difíceis e mais complicadas. Em muitos casos, o câncer pode consumir a carne, mas não o raciocínio e a vontade de superar e de vencer. Mais uma vez, o meu muito obrigado, tenham todos uma boa semana com a proteção de Deus. Amém!  

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Passíone, no fundo poço!

Não poderia deixar de comentar a cena final da novela Passíone que foi ao ar na noite de ontem (dia 16). Se fosse cena de filme não me tocaria tanto, o diretor goza do direito de criar o que quiser. No caso das novelass, acredito ser diferente. Sabemos que muitas vezes os atores fazem "laboratório" e procuram reproduzir a realidade das nossas cidades e, atualmente, até de cidades do além-mar. O que me chocou foi ver o que passei a chamar de "trem da agonia"; gravado nos vagões inoperantes de uma estação ferroviária, não sei se em São Paulo ou na cidade do Rio de Janeiro.

Começa pela perseguição a um viciado em crack, que rouba a carteira do (...) - não lembro o nome - e chega a estes vagões repletos de pessoas viciadas, jogadas ao chão, drogando-se, prostituindo-se; verdadeiros mulambos humanos caídos no fundo do poço, deitados no berço da morte. Agonizando no que pode ser os seus últimos momentos de vida. Sem dignidades e sem apoio algum. É naquele cenário dantesco que ele, o (...) encontra o seu sobrinho que estava desaparecido, depois de ter sido expulso de casa pelo seu pai numa cena recheada de realismo cruel e de desafeto paternal. A cena de ontem, que será repetida hoje, mostra a realidade das grandes metrópolis que estão castigadas pelas drogas. Lembrando Sodoma e Gomorra. 

Espero que o choque provocado pela novela possa despertar a maioria das pessoas para esse problema emblemático dos tempos modernos. 

NOTÍCIAS MINHAS

Estou nesse momento na clínica oncológica, aguardando a consulta e o que pode ser mais uma sessão de quimio. Confesso que não vim muito disposto e estou mesmo propenso a sugerir o adiamento dessa sessão até que eu possa conversar com o médico hemato para analisar se vale a pena todo esse sofrimento ou se devemos radicalizar e encarar a possibilidade de um transplante do órgão. Será, no caso, tudo ou nada! Vamos amadurecer essa idéia! Com a graça de Deus teremos um pouco mais de tempo. Amém.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Pelo mundo


Observe no mapa onde estamos chegando!!!
 Quem observar verá que hoje o contador do blog registra o primeiro ano registrando o número de visitantes que por aqui passam. Pois bem,ao término desta noite, estaremos certamente atingindo a marca dos vinte mil visitantes!!! O que representa uma média diária de 55 pessoas por dia! Uma marca que merece agradecimentos a todos que estão lendo este diário. Ressalto que estamos no segundo ano de existência, portanto, num cálculo simples, posso estimar que mais de trinta mil pessoas leram alguma das minhas postagens. O blog nasceu no dia 18 de novembro de 2008. Passou um ano sem marcador de visitas.

Hoje dedico esta postagem a ele, ao blog, para falar a vocês que fazem parte dele. Fazendo isso, estou dedicando a cada de vocês, meus amigos leitores. Se não tem leitor incentivando, não tem motivo para continuar escrevendo. Descobri hoje, fuçando as configurações, a função Estatística que dá a real dimensão do que estamos realizando. Como, por exemplo, onde estamos chegando, qual o assunto mais buscado e outras informações. Aproveito este momento especial, inicio da semana de aniversário do blog para fazer os meus agradecimentos em alguns idiomas (ainda bem que não preciso falar), locais onde temos leitores, segundo os dados do blogger.

Arigato! Thank you! Aciü! Danke! Quem sabe, sabe! Agradeci em japonês, inglês, lituano e em alemão, dizendo no bom português: Obrigado! É isso, temos leitores em Portugal, Estados Unidos, Alemanha, Canadá, Japão, Angola, Rússia, Coréia do Sul e Letônia! Eu sabia do meu amigo Jorge, lisboense (é isso mesmo?), nunca imaginei que estivesse em outros mais. O mundo estar mesmo globalizado, de qualquer parte do planeta podemos acessar conteúdos que estão sendo produzidos aqui e vice-versa. 

Como sempre faço quando vejo que ganhei mais um seguidor, essa constatação de hoje, que estou socializando aqui, me encheu de orgulho e de alegria. Acho que é a mesma sensação que sente um escritor, após lançar o livro, ver a necessidade de encomendar a sua editora uma segunda tiragem. Também é maior a responsabilidade, afinal, como numa novela, estamos construindo uma história capítulo por capítulo. A diferença que aqui é real, apesar de não ser um show, nada a ver com os reality show televisivos. Então, nesta semana estarei festejando o segundo aniversário desses nossos encontros, dessas conversas e desabafos. Quero repartir o bolo com todos, acender mais velinhas (nada de apagar) - acho que em festas de aniversário deveríamos acender e não apagar velas! Bom, por enquanto é isso, renovar os agradecimentos e dizer que estou bem.

ENDOCRINOLOGISTA

Seguindo recomendação do oncologista fiz consulta médica com endocrinologista na tarde hoje. Fizemos a minha anamnese, sabe que acho interessante contar que não tenho estômago, vesícula, tireóide e que retirei metade do fígado?! Estarei doente? Claro que não penso que estou louco por achar isso interessante. Melhor voltar para a consulta de hoje, para dizer que ouvi do médico comentários que batem com o que eu dizia sobre a retirada da tireóide. Segundo ele, nem sempre necessitamos fazer a retirada do nódulo da tireóide, por ser um carcinoma menos agressivo que se conhece. Claro que esse pensamento dele e meu não representa nenhuma verdade médica, não defendo aqui que caso alguém esteja em situação de investigação desista de fazer a cirurgia. Escute uma segunda, terceira opinião médica, para chegar a uma conclusão. Confesso que se hoje fosse julho, quando fiz todas as consultas e exames em cima do "problema tireóide", depois desta consulta eu não teria deixado a minha borboleta voar. Não cabe arrepedimento, isso não trará ela de volta. Não adianta chorar sobre a tireóide retirada! O que importa agora é garantir que haja a produção dos hormônios que necessitamos.

Tenho sentido uma fome insaviável, como muito, assalto a geladeira de hora em hora, a coitada se abre logo quando chego perto dela. E não engordo uma grama, pode isso? Esse fenômeno gastronômico se deu depois da tireoidectomia. Vamos consertar isso, se Deus quiser. Foi feita coleta de sangue para saber a dosagem dos hormônios que estão sendo produzidos com a ajuda do Puran, saberemos se a dosagem atual estar sendo suficiente ou não. Isso será motivo de mais conversa, entre eu e você meu amigo. Abraços.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Leucopenia

Quando eu menos espero me vejo diante de um novo termo, de uma nova palavra, desta vez fui apresentado à leucopenia. Tem uma boa sonorização, leucopenia. Por conta dela não fiz a sessão de quimio que estava marcada para ocorrer hoje pela manhã. Puxa vida, quem é essa leucopenia? O que é, o que faz, onde mora?

Claro que, para encontrar as respostas, pedi ajuda ao seu Google. Então, de forma reduzida, eis o que encontrei:

"Leucopenia é uma diminuição na quantidade de leucócitos circulantes no sangue. A principal função dos leucócitos é combater infecções, então a diminuição da sua quantidade na leucopenia pode colocar a pessoa sob risco mais elevado de doenças infecciosas."

No bom português, significa que estou com a imunidade baixa, provocada pela primeira dose da quimio e outra dose, nesse momento, estaria me colocando em situação de risco. Daí a resolução do oncologista de adiar para a próxima semana. Fiquei entre a sensação de alívio, pelo adiamento, e a preocupação de saber que estamos de certa forma quebrando o protocolo estabelecido para esta fase. Ao mesmo tempo que acredito na condução do nosso Senhor neste processo todo. Se foi adiado, Ele permitiu, então é bom para mim! Tenho fé na sua misericórdia.

É isso, entre contente e temeroso estou cá ruminando os pensamentos, desejando que o organismo aumente a produção dos leucócitos ao nível que me permita realizar a segunda sessão sem nenhum risco. Basta ter que suportar as ânsias do período.

TIREÓIDE

A minha tireóide foi relembrada na audiência de conciliação de hoje. Ficou resolvido que eu devo procurar fazer consulta com um endocrinologista para avaliar se a dosagem do Puran T4 que estou tomando está sendo suficiente para manter as coisas na sua perfeita ordem. Veio a tona o fato de que não foi descartado o tão falado tratamento com iodo ou iodoterapia, aquele que ficamos isolados em quarto isolado, tipo coisa do outro mundo. O Dr. Marcos (meu oncologista) disse que não estava esquecido da tireóide (mas eu não tenho ela comigo) e alegou que temos tempo pela frente. Ufa, ainda bem que ele projetou mais "tempo" para frente, isso é deveras muito bom e sei que experimentarei esse iodo e o que mais for preciso. (Acho que é assim que se fala, não?!) Osso duro de roer, carne de pescoço, bicho ruim, sei lá. Uma coisa é certa, não estou resistindo só pela minha vontade, estou tendo a devida permissão para permanecer por aqui. E sou muito grato por tudo isso, sempre. Por isso digo, amém! Fique com Deus.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Corte de cabelo II

Como disse anteriormente, rebaixei a juba no início da semana, quando eles começaram a cair nesta terceira etapa do tratamento. Devido não ter raspado nem mesmo passado a máquina no número um ou zero, o que restou teima em cair. O que me incomoda é vê-los no travesseiro, na pia do banheiro, no ralo e pela casa afora. Não me incomoda a queda dos cabelos em si, tampouco a aparência que denuncia a doença, afinal os olhos (sem sobrancelhas e sem cílios), vamos combinar, ficam com  uma aparência que ninguém merece, não é mesmo?! Naturalmente tudo tem o seu lado prático, hoje, por exemplo, "cortei" o cabelo apenas com um pente na mão. Aliás, um pente que tem história e que será contada na sequência. Passava o pente no couro quase cabeludo e ele deslizava carregado de tufos de cabelos... achei engraçado aquilo e fiquei repetindo a penteada só para ver a chuva de cabelos (gente, fiz isso dentro do banheiro, viu?) caindo aos meus pés. Acho que passei, oito, dez, quinze vezes seguidas... com corpo um pouco reclinado para liberar o caminho e provocar a queda livre daqueles fios que saltavam do pente. O resultado estar visível nas crateras que fcaram pelo couro ex-cabeludo. Como disse, isso não me incomoda. Estou usando boné no trabalho por medida de higiene.

O PENTE

Tenho comigo um pente muito especial. É de cabo, dentes largos, carcomidos e precisando de uma prótese para substituir um dente que falta. Não sei quando caiu esse dente dele, mas creio que é devido a idade avançada dele. Acredite se quiser, mas esse pente tem exatamente 31 anos! Tenho este pente desde julho de 1979 quando viajei à cidade de Santarém-PA. Precisava levar um pente, para depois do banho, visto que não tinha o hábito de carregar nenhum no bolso. A minha mãe tinha dois iguais, peguei um deles "emprestado" e desde aquela data ele tem viajado comigo a todos os lugares. O pente, não tem nome, conheceu Belém, onde esteve por duas vezes, São Luiz, Manaus, Brasília... São Paulo quando fui fazer o PET Scan, enfim, esse desalmado (ou será que tem alma?) tem sido presente no meu passado e no meu tempo atual, espero que ele possa completar outros aniversários dividindo o seu sorriso comigo. Deslizando pelos meus futuros cabelos, cumprindo a sua missão e ajudando a cumprir a minha também. É bom sair com os pelos arrumados e isso ele vinha fazendo muito bem, sem nunca reclamar de nada.

Sentirei a falta dele. Ao deitar-me (acredite-me novamente) tenho o hábito de pentear os cabelos - esse gesto ajuda a vir o sono, é como receber uma massagem, um afeto. Tudo bem, terei que mudar este hábito. Ele ficará ali a postos, esperando pelo retorno de novos fios, a sua razão de existir. Vejam a foto dele, foi tirada para colocar no passaporte ou no livro de record es como sendo o mais velho pente em uso. Uma vida. Que Deus o conserve assim, comigo, por muitos e muitos anos! Amém. 

EM TEMPO

O pente, que não tem nome, depois de fotografado me pareceu muito mais velho do que é na realidade, ficou com uma aparência horripilante, assim, para preservar a sua intimidade e evitar traumas, ainda mais agora nesse período que ele ficará sem ter o que fazer, resolvi não publicar mais a sua imagem. Espero que compreendam. Obrigado.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Correntes milagrosas

Todos os dias recebo uma ou duas mensagens contendo correntes com promessas de receber milagre caso seja repassada a dez, vinte, trezentas ou mil pessoas.Não tem nada mais irritante que isso. Supera as mensagens tipo spam. Não que eu não acredite em milagres de Deus, acredito sim. Não acredito é nessas bobagens que circulam aqui na Internet. Para receber um milagre tenho certeza de que não será em troca disso ou daquilo. Não será necessário ter vinte ou apenas uma pessoa a quem reencaminhar esse tipo de mensagem. Venho respondendo às pessoas que me enviam este tipo de mensagem, mesmo assim continuam chegando... Resolvi então fazer esta postagem de apelo, para pedir que não me mandem estas mensagens com tarefa assim ou assada. Elas não somam nada, ao contrário alimentam um sentimento esquisito que beira o remorso e isso não é bom, certo?! 

Adoro receber mensagens PPS, guardo todas que recebo. Tenho um arcervo com mais de mil mensagens, de todos os tipos, engraçadas, melancólicas, mensagens que nos induzem a reflexão e que nos trazem ensinamentos. Diferentemente dessas correntes que parecem querer advinhar... "ao término da mensagem o seu telefone irá tocar com uma boa notícia". Que é isso? Essa mensagem é dirigida a quem tem telefone fixo em casa, no meu caso, que só uso celular, ele  pode até  tocar a qualquer momento (desde que esteja ligado), como fica o milagre então??? Enfim, as minhas orações e das pessoas que oram por mim,  me bastam, por favor, não me mandem mais essas mensagens pretensiosas. Ou melhor, pergunte aos seus amigos se eles querem continuar recebendo essas mensagens e faça o redirecionamento para quem gosta. Combinado?

CORTE DE CABELO

Mudando de conversa, quero dizer que mudei de visual. Para evitar o desconforto de ver cabelos espalhados por toda a casa e por medida de higiene mesmo, decidi por cortar a cabeleira bem raspeira, tipo grama de campo de futebol. Estou parecendo o Alan Delonge. Irei a um churrasco neste final de semana e só espero que não me peçam as orelhas emprestadas para abanar o fogo. A barba também foi reduzida, por enquanto deixei no entorno do queixo, bem rasteira. Mas não será por muito tempo, ficarei de cara lambida mesmo.

SEGUNDA SESSÃO DE QUIMIO

Será nesta quinta-feira, dia 11. Relembrando o calendário, depois da medicação via endovenosa, aplicada na clínica, são quatorze dias tomando a medicação via oral (seis comprimidos diariamente), depois disso tenho sete dias sem nenhuma medicação, apenas para curtir o restante dos efeitos. Ai, quando o organismo estar um pouco recuperado vem a segunda fase, e assim sucessivamente. Três sessões formam o que se chama de ciclo, foi este o protocolo escolhido pelo meu oncologista.

Em combinação, o médico cirurgião solicitará uma ressonância a ser realizada ao término desse primeiro ciclo para avaliar o progresso do tratamento e quiçár realizar a ablação por radiofrequência. Isso deverá ocorrer nas primeiras semanas de dezembro. Estou confiante em Deus, pedindo a Ele que permita ao meu organismo reagir e expulsar de uma vez essas células malignas que se alojaram. Elas não me pertencem, não pertecem a ninguém, ninguém merece vivenciar essas situações. 

São estas as minhas palavras de hoje, peço desculpas pelo desabafo inicial. Continuo firme no propósito de continuar na marcha em defesa da vida. Amém.   

domingo, 7 de novembro de 2010

Esperança

Dizem que devemos escrever um livro, plantar uma árvore e ter filhos, não necessariamente nesta ordem. Posso dizer que cumpri essa tarefa, tenho duas belas filhas - uma delas frutificou, dando-me uma neta; a árvore foi plantada (creio que mais de uma mesmo) e o livro foi escrito no início da década de 80. Na verdade foi uma coletânea de poesias que eu havia derramado sobre o papel numa época em que me achava saudoso, melancólico, desiludido, contrariado, porém, esperançoso no recomeço. E foi justamente uma dessas poesias, escolhida pelo seu título, que resolvi postar aqui hoje, para dizer que a palavra esperança sempre me acompanhou, sempre me guiou, sempre me deu forças para continuar na luta. 

Não é nenhuma obra de arte, talvez seja até piegas demais, mas ouso publicar aqui agora, afinal não estou levando a julgamento nada, apenas resgato um pouco do passado que ficou para trás. 

Esperança
Sentimento que molha a alma
Transborda pelo coração feliz
Irradia somente a alegria
Esperança, esperar algo de bom
Vê tudo mais bonito
Até pássaro verde cantando
Uma canção de amor eterno
Ah! Quem espera sempre alcança
Nunca tarde, muitas vezes
A ânsia pode chegar
Mas, o medo faz silêncio
Pois sentimos muito amor
Uma pequena esperança
Traduz muito mais qe se imagina
Os dias são mais bonitos
O sol brilha mais forte e 
Ilumina mais além
É tudo tão muito mais
Os sonhos logo aparecem
Mais doces e expressivos
Ah! Quem dera eu ter uma pequena esperança...

PS.: Esta coletânea foi impressa em uma tipografia da cidade e consegui convencer 100 pessoas a adquirir, cada uma, um exemplar. Não sobrou nenhuma unidade, a que tenho pertence a minha irmã a quem agradeço pelo desembolso e pelo empréstimo. Fique com Deus. 

sábado, 6 de novembro de 2010

Queda de cabelos III

Enquanto contabilizo a vitória desse primeiro round, sobe para três o número de vezes que os meus cabelos se rebelam para fugir por mais uma temporada. Estava demorando para isso acontecer e os primeiros sinais começaram nesta sexta-feira quando passei a sentir pequenos incômodos na raiz dos cabelos. Um pouco de dor, ao encostar a cabeça em algum amparo como travesseiro ou ao deitar na rede (constantemente armada na varanda do apartamento). Passei boa parte do dia de hoje com um chapéu de abas e ao tirá-lo da cabeça constatei o fenômeno da queda dos cabelos, umas das reações tradicionais e conhecidas por todos. Retratado com muita emoção em cenas de novelas ou de filmes envolvendo pacientes em tratamento com quimioterápicos.

A mim já não provoca nenhuma emoção, como disse acima, estava demorando a ocorrer e, portanto, estou preparado para repetir o mesmo visual de dois anos atrás, que veio em repetição no reinicio do tratamento, agora, pela terceira vez, ou melhor será a quarta vez, considerando que ao passar no primeiro vestibular (fui aprovado em quatro vestibulares consecutivos na UFPB) fizeram-me raspar a cabeça para corrigir os defeitos que deixaram ao cortarem de tesoura, enchendo de "buracos" a minha bela cabeleira. Saudades?! Acho que sim, afinal, tudo que vivemos faz parte da nossa história pessoal e, algumas coisitas, devem sim ser relembradas de forma saudosa. Não podemos, claro, viver olhando apenas para os retrovisores, de vez em quando vale um mergulho no túnel do tempo para um banho energético capaz de fazer a propulsão para frente.

Então, sem delongas, nem disfarces, estaremos entrando em cena com o visual que estar sendo possível. O boné será para proteger o couro cabeludo dos raios do sol, que não estão acostumados com a descoberta assim de repente. Quero dizer que, se o número de vezes representar algo de conquista na minha vida terrena, que eu possa contar outras três, quatro ou mais vezes. Olha que sou bom na matemática, sei o que estou pedindo a Deus com essas minhas palavras mansas.

Falo para Deus e para aqueles que me seguem, para os que ainda vão abrir pela primeira vez este blog, esperando que as minhas palavras sirvam para tranquilizar a tantos quantos estejam em dúvida ou perto da aflição. O melhor remédio estar dentro de nós mesmo. Não fosse por ele, pelos seus efeitos positivos que tem trazido, se não eliminando, pelo menos, reduzindo os efeitos indesejados da quimio, estaria sendo mais dificil para mim. 

SINDSPREV

O sindicato festejou o Dia do Servidor com uma feijoada na nossa sede social na Praia do Poço, no dia de hoje. Compareci para rever os amigos de luta que não via há muito tempo. Reencontrei muita gente boa, dentre eles os antigos adversários políticos, nessas horas não existem diferenças. Todos merecem respeito e consideração. Existem naturalmente aqueles com quem nos identificamos mais, podendo ser qualificados de amigos e de companheiros de batalha. Na sede tem uma placa de inauguração na qual consta o nosso nome, sem dúvida por estar no local certo na hora certa, fazendo história. Muitas conquistas para a companheirada toda, que eles acordem para continuar desempenhando o verdadeiro papel representativo da nossa categoria de trabalhadores. Um abraço a todos, fiquem com Deus!    

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Primeiro round

Venci o primeiro round. Hoje não tive que tomar nenhum comprimido de Xeloda... eram três pela manhã e três à noite, nos últimos quatorze dias. Durante os próximos sete dias estarei livre desse compromisso. O meu organismo estar bombardeado pelos quimioterápicos, afinal foi o coquetel via endevenosa e esta proção toda de comprimidos. Graças ao meu bom Deus, foram poucos os momentos desagradáveis decorrentes das famosas reações. Em cima da minha mesa de trabalho deixei exposto um comprimido para debelar a sensação de enjoo, ali ele ficou e servirá para a próxima etapa que iniciará no próximo dia 11.

No trânsito, ao passar em frente ao hospital no qual fui operado pela última vez, avistei o meu médico cirurgião na faixa de pedestre atravessando a rua, a pé, ele deveria estar indo para mais uma cirurgia. Com o trânsito livre foi possível dar paradinha (fora da faixa) para cumprimentá-lo com um aperto de mão. Senti-me tranquilo, estava diante de um dos instrumentos de Deus, particularmente, de um grande homem que, por coincidência da vida, foi meu aluno quando era ainda um menino. Nem imaginávamos que anos depois teríamos essa relação aluno/professor transformada em médico/paciente. 

A vida é isso, uma caixa de surpresas. De repente tudo pode mudar, provocando uma guinada brusca na nossa trajetória. Ainda hoje, no almoço na casa dos meus pais, estive com uma pessoa da família que teve a sua rotina de vida totalmente alterada de uma hora para outra. Morava no interior do Ceará, vida tranquila, afazeres normais e assim do nada, estão aqui de passagem, mudando de cidade, tendo que deixar pra trás toda uma vida. Comentei com ela sobre essas surpresas que a vida, muitas vezes, nos favorece. Assim, também foi comigo, no tocante, claro, ao estado de saúde.

De repente uma dor forte, exames, diagnósticos, cirurgias, tratamentos, mudando definitivamente toda a trajetória da minha vida. Estou fazendo a quimioterapia para debelar a recidiva do fígado e na minha cabeça vem o fato de que ao vencer esta etapa terei que enfrentar a iodoterapia... Isso, quero sim ter que passar pelo iodo. Chegar lá é ter vencido os dois rounds que tenho pela frente na fase atual em que se encontram as coisas. Venver estes rounds é ter a certeza de que poderei tentar obter a vitória tendo o iodo como aliado.

É assim que vejo esses elementos (quimio e iodo), como aliados nessa luta que não digo ser injusta (posso dizer indesejada). Não temos o direito de questionar se é justo ou não ter que passar por isso. Não sou melhor que ninguém para fazer este tipo de questionamento, se uma criança, inocente por natureza, nasce com problemas de saúde, muitas vezes convivendo assim por toda uma vida... por que eu estaria livre ou imune a tudo isso? 

Para concluir por hoje, quero dizer que ao longo desses dois últimos anos tenho aprendido muita coisa e visto o mundo e as pessoas de modo mais aprimorado. Posso até não estar tendo a capacidade de externar esse novo aprendizado, mas sinto que mudei, amadureci e cresci muito. Quero continuar crescendo aqui mesmo, com todas as falhas e as suas consequências. Para isso estou me defendendo como posso e assim será enquanto fôlego houver. Amém. 

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Eleições 2010: Ricardo Governador

Retornando ao passado, idos dos anos 80, quando realizamos uma das maiores greves dos servidores da saúde e previdência social na Paraíba e no Brasil. Naquela época, contávamos com o apoio de várias lideranças sindicais de outras categorias, de outras instituições, a exemplo do então militante Ricardo Coutinho, sempre presente e atuante. Por intermédio dele sempre conseguíams o espaço físico do Sindicato dos Farmacêuticos para a realização das nossas assembléias, diante da proibição de usar os auditórios das nossas instituições. Quis a providência que eu estivesse vivenciando aqueles momentos, labutando em defesa dos interesses da categoria e por melhores condições de trabalho, além, claro, por melhores salários.

A luta era árdua e incansável. Durante dias, semanas e meses permanecemos com as nossas atividades paradas, em protesto, em greve! Isso foi num ano, repetido no ano seguinte e em outros mais, durante um certo tempo. Tem um ditado que diz que "água mole em pedra dura, tanto bate até que fura" e outro "a união faz a força", tanto um quanto o outro ajudam a entender que as greves acabavam quase sempre com rendimentos positivos - pelo menos saíamos em melhores condições do que as que estávamos antes! Alguns de nós, do movimento sindical, entraram para a política partidária, filiando-se ao PT - Partido dos Trabalhadores que acabava de nascer e concorreram a cargos eletivos (Vereador, Deputado e Senador). Era o sonho de muitos poder ganhar o direito da representatividade popular numa daquelas casas legislativas.

Poucos conseguiram sucesso nesta migração, sair do movimento sindical e alçar voo triunfante e perene. Um deles, desde a primeira empreitada vem conseguindo o reconhecimento popular nas urnas. Dois mandatos de vereador, dois mandatos de deputado estadual, prefeito releito e hoje governador do estado da Paraíba, estou falando do meu amigo Ricardo Coutinho! O primeiro filho da capital, eleito para o cargo de maior importância para todo o Estado. Nenhum outro tem essa trajetória política no seu curriculum vitae. É com muito orgulho que o parabenizo por mais esta conquista, por mais esta vitória. Uma vitória que é de todos nós, de todos os paraibanos que, acreditando na necessidade de mudanças estruturantes, votamos no Ricardo Countinho, o elegendo com o maior número de votos dados a um candidato a governador aqui no estado da Paraíba. Aliás, recordes de votação tem sido a marca dele... foi assim em todas as suas eleições. Parabéns, Ricardo Coutinho. Que Deus o abençoe nesta nova jornada e a todos nós, amém!

O IBOPE

Nenhuma pesquisa do IBOPE tem dado certo aqui no Estado. Tem errado ao longo do tempo, não acerta um prognóstico. Nestas eleições errou novamente quando anunciou a vitória do atual governador no primeiro turno e agora, no segundo turno, anunciou empate técnico. Errou novamente, a diferença de votos é bem superior à margem de erro apresentada. O melhor para este Instituto de pesquisas é o silêncio daqui pra frente, ou melhor, talvez seja bom praticar a imparcialidade, quem sabe assim poderá acertar os prognósticos nas futuras eleições.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Reações da quimioterapia

Estou de passagem para por em dia as notícias dessa segunda fase da quimioterapia a que estou sendo submetido. Dizem que a primeira vez a gente nunca esquece, premissa válida para tudo nesta vida. Outra coisa que também é uma assertiva verdadeira é dizer que nem sempre a segunda vez é igual a primeira. A repetição da pizza não garante o mesmo sabor da primeira. Só sabemos das coisas quando passamos por ela, muitas vezes não adianta relatos. Claro que tem coisitas, que nem imaginamos existir até que estejamos vivenciando-as. E a quimioterapia é uma dessas. 

Gente, estou na repetição do processo, como já relatei anteriormente, e posso garantir que não tem sido nada igual. Não sei se está sendo pior ou mais amena. Sei que estou reagindo de forma dferente, apesar de ter dado entrado entrada no hospital na tarde de ontem (como de outras vezes, há dois anos) e de ter ficado na clínica boa parte da manhã de hoje (também como de outras vezes, há dois anos). Enjoos, tontura, ânsias de vômito, tem marcado essa segunda fase de quimioterápicos.

O tratamento em si foi alterado na dosagem da medicação que estou tomando em casa. Antes fora quatro cápsulas de Xeloda, sendo duas pela manhã e duas à noite. Hoje, são seis cápsulas, sendo três pela manhã e três à noite. No fundo eu estava preparado para estas reações. Trabalhei normalmente nos dois dias seguintes ao reinicio, quinta e sexta-feira da semana passada e para sorte minha, anteciparam o feriado do Dia do Servidor para a data de hoje. Amanhã, se Deus permitir retornarei ao trabalho. Gosto do que faço e somente uma forte indisposição me impedirá de comparecer à repartição. Não que eu seja insubstituível, longe de mim pensar assim, porém, fazendo o que gosto (trabalhar) até ajuda a esquecer, sem perder de vista a necessidade de tomar os cuidados com a minha saúde.  

Não havia postado nesses dias todos devido as intercorrências agora relatadas. Espero que esse meu regresso seja mais perene daqui pra frente. É muito ruim ficar sem ânimos, sem vontade de falar, de comer e de agir. Assim como estava ontem, como amanheci ontem e que perdurou ao longo dessas últimas horas. Mesmo elevando o pensamento, muitas vezes parece ser intransponível e duradoura essa terrível sensação de "não quero isso"! E quem quer?! Será que isso se parece com depressão? Se for, vou confessar que é mesmo muito chato estar depressivo. Bom, xou fantasmas, que venham os bons ares para reconfortar o espírito e a vontade de contnuar vivendo. Tenho dito, fé e esperança sempre e com Deus no coração. Amém.  

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Quimioterapia

Amanhã, mais um retorno aos quimioterápicos. Estou acreditando que dessa vez será mais amena devido não estar me recuperando de nenhum processo cirúrgico como foi da primeira vez, ocorrida há exatamente dois anos. Olhando para trás percebo que foram dois anos de ganhos, afinal, se nada tivesse sido feito nesse ínterim, certamente, eu seria, hoje, um internauta no além! Não sei se LÁ tem internet, nem quero saber tão cedo. Ah, essas últimas palavras me fizeram lembrar de uma conversa ocorrida entre dois grandes amigos, adoradores e praticantes do futebol. Os dois sempre jogavam juntos, todas as quartas e sábados tinham sempre um jogo para os dois participarem. Um belo dia, os dois combinaram que o primeiro a desencarnar deveria avisar ao outro se do outro lado tem futebol ou não. E na semana seguinte a este combinado, um deles partiu dessa pra melhor. O amigo que aqui ficou lembrava sempre do trato feito e não demorou muito para receber a visita do desencarnado. Este foi logo dizendo: - Meu grande, conforme combinamos estou retornando para dar-lhe duas notícias: a primeira é que lá em cima tem futebol todos os dias. E a segunda notícia é que amanhã vamos jogar juntos novamente!!!

Por isso, digo que quero continuar atualizando o meu blog ainda por muito e muito tempo, daqui mesmo dessa minha bancada. E assim será, com a permissão do nosso Deus Pai e Criador de todas as coisas. 

Estamos num processo de construção, a minha parte é encarar o tratamento de frente, considerando que tudo que nos ocorre é por permissão divina. Nada ocorre sem o Seu consentimento, se devo passar por mais etapa na minha vida, que seja efêmera. Enquanto continuarei fazendo a minha efeméride. Gostaram dessa palavra? Acabei de encontrá-la no dicionário.. significa "anotação dos fatos acontecidos no mesmo dia do ano no correr do tempo."   

Sendo assim, farei uma breve pausa de algumas horas, para retornar com os acontecimentos do ocorrido nesse intervalo de tempo. Nem que seja para registrar que tudo foi como antes. A luta continua, a quimio continua e vontade de vencer é maior ainda. Fique com Deus!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Reforma da Previdência na França


A greve continua... Tudo para barrar uma reforma que irar prolongar o tempo de serviço dos trabalhadores franceses por mais dois anos. Aqui no Brasil, ocorreu a reforma da previdência em dois momentos. No primeiro deles, ainda no governo de Fernando Henrique Cardoso, foi introduzida idade mínima para se obter a sonhada aposentadoria. Não bastava apenas completar, no caso dos homens, os 35 anos de trabalho (ou de contribuição) passou a ser necessário também ter a idade mínima de 53 anos. Não respeitaram nem o direito adquirido daqueles que já estavam ingressos no serviço público e prestes a se aposentar. Eu, particularmente, completei 35 anos de serviço, contando com a idade de 51 anos. Não me aposentei devido a segunda "reforma da previdência" levada a termo por este governo que se diz dos trabalhadores...

O governo de Lula fez a última etapa da reforma, aumentando a idade mínima dos 53 (herança de FHC) para 60 anos. Uma reforma conduzida em meio a denúncias do "mensalão" - compra de votos dos parlamentares para aprovar do jeito que o governo queria! E ninguém se mobilizou!!! Nenhum sindicato moveu uma bandeira em defesa dos nossos direitos.

Hoje, a imprensa nacional insiste em dar cobertura à greve dos franceses, acho que querendo fazer o povo comparar as reações de cada uma dessas nações. Aqui, a calmaria, embalada pelas transmissões de futebol ao vivo e a cores - em telões de LCD, cada uma maior que a outra. Na França, o povo quebrando o pau, literalmente, tocando fogo em tudo pela frente. Amanhã será a votação da matéria pelos parlamentares franceses. Vamos aguardar o desfecho do movimento. Se for aprovada do jeito que o governo estar querendo, pelo menos houve reação, manifestação contrária e luta pelos direitos dos trabalhadores. Boa sorte aos franceses, obrigado pela lição que estão dando às demais democracias - em particular ao Brasil que tanto defende essa forma de governo, discurso bonito na hora de conquistar o nosso voto!



sábado, 16 de outubro de 2010

Homenagem ao Professor

O vídeo abaixo é um registro de uma das poucas vezes que a Paraíba aparece na TV Globo em matéria jornalística com destaque elogioso. Aproveito para usar o vídeo veiculado no Jornal Nacional, edição de 15/10/2010 para prestar a minha homenagem a todos os colegas Profesores.

A reportagem comete alguns deslizes e injustiças. Por exemplo, não informa a cidade onde ocorre o fato (cita apenas a região como sendo "alto sertão da Paraíba"), não informa o nome do Professor em nenhum momento, as poucas legendas que aparecem dão conta do nome do aluno e do repórter que fez a matéria... quando sabemos que é costume colocar sempre o nome da pessoa em foco. Precisava ressaltar que é numa das regiões mais pobres do país?

A pobreza, frisada na reportagem, não é mérito dessa ou daquela região, a pobreza está espalhada em todas as regiões do Brasil, de norte a sul e de leste a oeste, passando pelo noroeste, sudeste, centro-oeste e pela casa de chapéu.


Ah, o nome do professor é Jandhui Dantas!

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Coleta de sangue

Bom, antes da radiofrequência, que eu espero não ser necessária a sua realização, ainda tenho pela frente as dosagens de quimioterapia. Hoje logo cedo fiz a coleta do sangue para pesquisa dos marcadores que indicarão as minhas condições para recepcionar as drogas quimioterápicas. Procedimento já do meu inteiro conhecimento, nada do que vem nos próximos dias será novidade para mim. A ansiedade é pelas reações, estas são imprevisíveis, dependem do imunológico do organismo. Se depender da mente, estou canalizando todas as energias para minimizar os incômodos e desconfortos do Xeloda - creio que esta será a droga "carro-chefe" nessa nova fase do tratamento.

Pelo que combinamos, eu e o médico cirurgião que operou o meu fígado, daqui a sessenta dias deverei fazer outro exame por imagem, dessa vez, a ressonância magnética e avaliar o comportamento desse tumor teimoso e indesejado, após a ingestão dos quimios. O bicho não se toca de que é persona non grata no meu corpo e insiste em marcar presença. Mas, o seu reinado está com os dias contados, vamos deixá-lo enfraquecido, dopado, durante os próximos dois meses, para, então, contra-atacar com o guarda-chuva da radiofrequência, uma tática acertada entre o médico e o paciente, este que vos escreve.

Amanhã pegarei os resultados dos exames e levarei ao oncologista na segunda-feira pela manhã, dessa forma, acho que na terça-feira já estarei de volta à clínica para o começo desse novo capítulo.

Para enganar os bichos, mudarei as feições mais uma vez, ficarei careca, voltarei a usar boné e esquecerei o pente e a escova de cabelos no fundo da gaveta. Resta uma dúvida cruel, o que fazer com os dois frascos de shampoo que comprei  para aproveitar o preço promocional?  O shampoo que estou usando ainda vai dar para lavar o último fio de cabelo, estimado para cair no final da semana vindoura. Registrarei em vídeo esse bravo, resistente e fiel amigo, protetor do couro (des)cabeludo.

Quem souber de alguma promoção de boné ou de peruca, favor indicar endereço. Obrigado, fique com Deus!

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Radiofrequência

"Alô... chamando o fígado! Aqui é da base alfa... câmbio! Acorda, vamos iniciar a radiofrequência para eliminar os invasores... câmbio! Todos a postos e preparados... câmbio!"

Este monólogo pode fazer parte dos preparativos para o Plano B a ser usado nesta fase do tratamento para combater a recidiva do câncer no fígado. Segundo o médico cirurgião, em conjunto com o oncologista, vamos bombardear as células inimigas com dosagem de quimioterápicos durante os próximos sessenta dias; avaliar o comportamento dessas células por meio de uma ressonância magnética e partir para a Parte 2 do plano atual. Essa parte corresponde a radiofrequência que consiste em introduzir uma agulha bem no ponto central do tumor, esta, quando atingir o alvo, vai abrir em forma de um guarda-chuvas (sem pano) e "queimar" tudo em sua volta. Pronto, simples assim. 

Ao chegar em casa, pouco antes de iniciar esta postagem, me debrucei sobre o google em busca do que vem a ser a radiofrequência e encontrei uma resportagem que nos dar conta de que é um tratamento ainda muito recente, como se vê pela manchete:

"Cirurgia inédita por radiofrequência para eliminar câncer de fígado será realizada em Colatina -ES"

Para preservar a pessoa, resolvi não copiar a matéria. Faço uma ressalva para informar que esta cirurgia foi realizada no mês de maio próximo passado. O fato de ser um procedimento novo não me assusta nem um pouco, afinal o meu médico, que foi meu aluno no ensino médio, realizou a primeira cirurgia para transplante de fígado no estado da Paraíba, há cerca de 3 anos. Então, pioneirismo com resultado positivo é o que importa, para iniciar uma caminhada é necessário sempre o primeiro passo, não é mesmo?! Digo isso com convicção, não estou em estado tal que tenha de apelar para qualquer coisa... Entretanto, vamos enveredar por todos os caminhos, idealizando e executando os mais diversos planos de ataque e defesa. Essa bicharada não vai vencer assim sem resistência, vamos continuar superando as adversidades que a vida tem me reservado. E elas não são nada perto das coisas belas e agradáveis que Deus já me deu e vai continuar me dando enquanto vida houver... aliás, a minha vida é a máxima dessas coisas boas a que estou tendo direito de usufruir e de zelar.
Princípio da Radiofrequência. A energia emitida pela fonte entra pela agulha posicionada no tumor e sai pelas placas colocadas na coxa do paciente formando um circuito elétrico. A corrente elétrica alterna gera agitação iônica do tecido tumoral que provoca calor e queima o tecido tumoral
Imagens: http://www.abvhl.com/dados-basicos-sobre-vhl/orgaos/rins/ 

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Quimioterapia, de novo!

A notícia do retorno à quimioterapia não me assusta, depois dos primeiros ciclos, este será o meu segundo retorno aos quimiterápicos. Foram nove sessões, nove meses, que serviram para reduzir o tamanho dos tumores que estavam alojados no fígado e permitiram a sua retirada no ato cirúrgico. Naqueles momentos travava uma luta baseada na esperança da cura total, hoje, com os conhecimentos acumulados da verdadeira faceta deste tipo de câncer, a realidade é outra. É o custo de saber das coisas que nos cercam ou que nos afetam, mas nem por isso ficarei inerte à espera do desfecho final. Como tenho dito, é preciso coragem para o enfrentamento e persistência para assistirmos as vitórias, mesmo que passageiras, aproveitando as tréguas para a renovação do espírito - é o que nos restará mesmo!

Ouvi do médico, ao concluir a consulta, uma frase que nos dar conta de que a quimioterapia nos fará ganhar mais algum tempo (não precisou quanto) e quiçár até lá novas drogas apareçam no mercado para vir em nosso socorro. Vi passar, nesse momento, aqueles filmes do Rim Tim Tim... poucos soldados batalhando contra centenas de índios selvagens, esperando as tropas de reforço para dar cabo àquela situação sangrenta. No filme, as tropas de reforço sempre chegavam na hora certa, quando os ânimos dos resistentes já não eram tão resistentes assim... Ouvi, nitidamente, o toque prolongado do clarinete que anunciava a chegada dos bravos cara-pálidas para o clímax do final feliz. Ah, como seria bom ter essa certeza de que por trás dessa trincheira, de tantas outras pessoas, saissem as tropas medicamentosas para por fim aos mais diversos tipos de cânceres.

Faço uma pergunta: por que não estamos evoluindo na área da oncologia com a mesma velocidade com a qual viaja a tecnologia moderna? Por exemplo, há meses venho adiando a compra de uma televisão nova por conta dos diferentes modelos que chegam às lojas, quase que todo mês chegam novos modelos sempre com diferenciais significativos daquelas que ainda estão nas prateleiras. Novos recursos e tipos diferentes de monitores (até pouco tempo era tubo de imagem), Plasma, LCD, LED e agora a TV Tridimensional (esta última ainda um tanto distante da maioria dos mortais). Quisera que os laboratórios de medicamentos pudessem lançar novas drogas contra o câncer com a mesma velocidade com que estão sendo aprimorados esses apetrechos eletrônicos como celulares, televisores, carros de luxo e tantos outros mecanismos que estão fazendo parte do cotidiano das pessoas comuns.

É com a esperança nessa evolução que enfrentarei mais esta batalha, pedindo a Deus que mande as suas tropas de reforço para o meu socorro e de tantas outras pessoas que estão nessa mesma trincheira. Sei que o tempo Dele é o que deve prevalecer. Vamos novamente nessa, com fé e esperança. Paz e saúde, amém!

domingo, 10 de outubro de 2010

Seguro de mulher

Os meus pais retornaram da cidade do Rio de Janeiro nesta sexta-feira e trouxeram na bagagem um jornal de circulação local (naquela cidade) para a minha leitura. Logo na primeira página um anúncio me chamou a atenção pelo inusitado do enunciado, pensei que poderia ser assunto de uma postagem com abordagem engraçada.

É o que vem logo à cabeça, numa propaganda de seguro de automóveis, motos, condomínios, viagem... surge um "produto" diferente: a mulher! Que tipo de cobertura? Protege contra o fogo feminino, roubo, indiferença, traição... e qual a franquia? Não dar para deixar de associar as cláusulas convencionais que sabemos existir quando contratamos um seguro, ainda mais estando no mesmo pacote do anúncio. Não foi por estratégia de markenting essa misturada, considerando algumas falhas encontradas, como Fogo e Roubo aparecendo como se fossem produtos a ser segurados. Na verdade, são eventos que estão sendo cobertos pelo risco de ocorrerem nos casos dos automóveis e outros bens. Ver a mulher ali, entre os bens materiais, passíveis de cobertura por empresa seguradora é, no mínimo, curioso. Volto à pergunta do início deste parágrafo, que tipo de seguro mais se adequa, difere de acordo com o perfil de cada uma? É mais barato para as mais as Amélias ou para as Maria Bonitas da vida?   

Hoje, movido pela curiosidade, resolvi pesquisar no site do anunciante e percebi que o engraçado transformou-se em algo de concreto e que serve, na verdade, de alerta às mulheres. Pelo que entendi, trata-se de um seguro de vida especificamente para o público feminimo. Transcrevi abaixo, in verbis, parte do enunciado encontrado no site: 

"...você mulher pode escolher dentro de um vasto menu de opções o melhor seguro de Vida Mulher para atender você que tem entre 14 e 70 anos de idade e procura a cobertura mais adequada aliada a um pacote de benefícios e serviços exclusivos para garantir sua tranqüilidade e bem estar." 

Fui mais além ao constatar, no site, um simulador de valores que varia de acordo com a idade da mulher. Apesar de indicar dos 14 aos 70, a primeira idade começa aos 19 anos e encerra aos 64. Fiz algumas simulações e percebi, usando os meus conhecimentos matemáticos e científicos (sic), que podemos representar esses valores num gráfico e determinar alguns pontos (idade) críticos, por representar maiores valores pecuniários o que, por dedução, representam as idades nas quais as mulheres devem ter mais cuidados com a sua saúde. Traduzindo o que acabo de escrever, com exemplos práticos. Uma mulher aos 19 anos, pagaria o valor do seguro (anual) em torno de R$ 137,00 e aos 21 anos, R$ 149,00. A partir dos 22 anos, esses valores vão caindo vertiginosamente até a idade de 30 anos de idade, quando é cobrada, pelo mesmo seguro, a importância de R$ 12,75... Podemos deduzir que a mulher de 30 anos é a mais saudável? Pelo menos é a que estar correndo menos riscos de eventos ruins. O seguro é em função da ocorrência dos riscos, quanto maior o risco, maior é o valor do seguro!  

De volta à análise da variação dos valores, em função da idade, ressalto que a partir dos 30 anos, os valores retomam o rumo ascendente até que aos 41 anos, dobra de valor e custa em torno de R$ 24,00. Reparem agora um fato interessante, com 42 anos o valor do seguro salta para R$ 287,00... E com 50 anos, R$ 544,00, com 60 anos, paga R$ 1.273,00 e se chegar aos 64 anos, com a conta recheiada, vai que ter que pagar R$ 1.834,00. Todos esses valores são anuais, para saber o valor médio mensal basta dividir por 12, sendo que na faixa dos 22 aos 30 anos o valor mensal é igual ao valor anual, de tão barato que é o seguro nessa faixa!

Do que foi dito acima extraimos que ocorrem ciclos de 21 anos na vida da mulher. E que a partir dos 40 anos realmente merecem todo cuidado com a sua saúde. O que era para ser uma postagem engraçada, acabou parecendo uma tese acadêmica, espero que venha a servir de alguma coisa, principalmente para as mulheres leitoras deste blog. Valeu. Fique com Deus.   

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Quimoterapia X Iodoterapia

O título sugere a opcionalidade entre um e outro; entre o primeiro e o segundo, ou mesmo um duelo, com perdedores e vencedores. Quisera ser isso mesmo, quisera ter que fazer uma opção entre os dois tratamentos e dar por encerrada a situação, não é simples assim. Terei sim que fazer uma opção, aliás nem se trata de optar por este ou aquele, a escolha recai na prioridade: em resumo, sem delongas, recebi a notíca da necessidade de retomar o tratamento com os quimioterápicos. 

A tomografia denunciou a aparição de novos tumores no fígado, ou seja, a temida recidiva bateu à porta e se faz presente no órgão hepático. Vamos arregaçar as mãos e travar nova batalha, com as armas que dispomos, com a atenção que o caso requer e com o carinho das pessoas que estão ao meu redor. Sei que posso contar com todas essas pessoas e isso conta muito para um bom resultado do tratamento.

Realmente é uma doença agressiva, basta ver as imagens do fígado feitas em janeiro e as de agora, final de setembro, percebe-se uma mancha escura nas imagens recentes, o que significa uma reprodução muito rápida dessas células malquistas e indesejadas. Do jeito que elas vieram, vão embora, tenho fé em Deus, esperança na cura e vontade de continuar vivendo. É a minha vontade, mas somente Ele pode decidir, a mim cabe fazer a parte que está sendo permitida e essa parte é enfrentar o desconforto das drogas com as suas reações, nada além disso. É isso, peço a todos que torçam por mim, que peçam a Deus por mim, assim estarei mais confiante e tranquilo.


Janeiro/2010
 
Setembro/2010

Vejam as imagens do meu fígado, o médico disse que ele voltou ao tamanho normal dele, falta apenas um pedacinho ai pelos cantos - é como rabo de lagartixa, você corta um pedaço e ele cresce novamente! É o único órgão do corpo humano que tem esta propriedade regenerativa.