terça-feira, 12 de outubro de 2010

Quimioterapia, de novo!

A notícia do retorno à quimioterapia não me assusta, depois dos primeiros ciclos, este será o meu segundo retorno aos quimiterápicos. Foram nove sessões, nove meses, que serviram para reduzir o tamanho dos tumores que estavam alojados no fígado e permitiram a sua retirada no ato cirúrgico. Naqueles momentos travava uma luta baseada na esperança da cura total, hoje, com os conhecimentos acumulados da verdadeira faceta deste tipo de câncer, a realidade é outra. É o custo de saber das coisas que nos cercam ou que nos afetam, mas nem por isso ficarei inerte à espera do desfecho final. Como tenho dito, é preciso coragem para o enfrentamento e persistência para assistirmos as vitórias, mesmo que passageiras, aproveitando as tréguas para a renovação do espírito - é o que nos restará mesmo!

Ouvi do médico, ao concluir a consulta, uma frase que nos dar conta de que a quimioterapia nos fará ganhar mais algum tempo (não precisou quanto) e quiçár até lá novas drogas apareçam no mercado para vir em nosso socorro. Vi passar, nesse momento, aqueles filmes do Rim Tim Tim... poucos soldados batalhando contra centenas de índios selvagens, esperando as tropas de reforço para dar cabo àquela situação sangrenta. No filme, as tropas de reforço sempre chegavam na hora certa, quando os ânimos dos resistentes já não eram tão resistentes assim... Ouvi, nitidamente, o toque prolongado do clarinete que anunciava a chegada dos bravos cara-pálidas para o clímax do final feliz. Ah, como seria bom ter essa certeza de que por trás dessa trincheira, de tantas outras pessoas, saissem as tropas medicamentosas para por fim aos mais diversos tipos de cânceres.

Faço uma pergunta: por que não estamos evoluindo na área da oncologia com a mesma velocidade com a qual viaja a tecnologia moderna? Por exemplo, há meses venho adiando a compra de uma televisão nova por conta dos diferentes modelos que chegam às lojas, quase que todo mês chegam novos modelos sempre com diferenciais significativos daquelas que ainda estão nas prateleiras. Novos recursos e tipos diferentes de monitores (até pouco tempo era tubo de imagem), Plasma, LCD, LED e agora a TV Tridimensional (esta última ainda um tanto distante da maioria dos mortais). Quisera que os laboratórios de medicamentos pudessem lançar novas drogas contra o câncer com a mesma velocidade com que estão sendo aprimorados esses apetrechos eletrônicos como celulares, televisores, carros de luxo e tantos outros mecanismos que estão fazendo parte do cotidiano das pessoas comuns.

É com a esperança nessa evolução que enfrentarei mais esta batalha, pedindo a Deus que mande as suas tropas de reforço para o meu socorro e de tantas outras pessoas que estão nessa mesma trincheira. Sei que o tempo Dele é o que deve prevalecer. Vamos novamente nessa, com fé e esperança. Paz e saúde, amém!

2 comentários:

Larissa disse...

Com mt fé em Deus vamos à luta mais uma vez!!! Acreditando sempre no poder milagroso de Jesus Cristo. Que Ele continue te abençoando sempre!
Grande beijo!

Larissa Leite e Sergio Araujo

Edson Leite disse...

Obrigado Larissa, vamos sim com fé e esperança sempre. Amém